Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

12 Junho de 2019 | 19h22 - Actualizado em 13 Junho de 2019 | 09h56

Secretário de Comércio dos EUA descarta acordo definitivo com China no G20

Washington - O secretário americano do Comércio, Wilbur Ross, disse nesta terça-feira (11) que os EUA e a China não vão anunciar um acordo comercial na cúpula do G20 no final de Jjunho, no Japão.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Arte das Bandeiras dos EUA e da China

Foto: Arte Osvaldo Pedro

"A cúpula do G20 não é um lugar para um acordo comercial definitivo", disse Wilbur Ross à emissora CNBC, acrescentando, contudo, que pode haver "algum tipo de acordo sobre o caminho a seguir".

"Certamente não será um acordo definitivo", insistiu.

Segundo ele, o presidente Donald Trump pretende conversar sobre o assunto com o seu homólogo chinês, Xi Jinping.

Ross disse também que, ainda que este conflito possa parecer "uma guerra frontal", terminará, de qualquer maneira, com uma solução consensual.

"Os mercados estão muito nervosos, ou muito eufóricos", criticou, apontando o exemplo das "pessoas que ficaram histéricas" quando Trump ameaçou impor tarifas a bens importados do México.

"Finalmente, temos uma solução que pode ajudar a resolver o problema da crise (dos imigrantes clandestinos) na fronteira e que não inclui tarifas aduaneiras", comentou.

Além disso, convidou os seus homólogos a "aprenderem com esta crise" e "a julgarem este governo de acordo com os resultados".

Mais uma vez, Trump disse que os consumidores americanos não foram afectados pela guerra comercial entre Washington e Pequim.

O governo chinês "desvaloriza a sua moeda e dá subsídios às suas empresas para atenuar os efeitos das sobretaxas" de 25 porcento impostas pelos Estados Unidos a produtos chineses importados, no total de 250 biliões de dólares, tuitou.

Na semana passada, o Fundo Monetário Internacional (FMI) considerou que o aumento das tensões entre Pequim e Washington pode afectar o crescimento dos Estados Unidos. Ao mesmo tempo, apontou que, por enquanto, os efeitos do conflito tiveram pouco impacto sobre os consumidores.

Na segunda-feira, Trump ameaçou adoptar novas tarifas sobre a China, se a reunião com Xi Jinping, em paralelo à cúpula do G20 em Osaka, não acontecer.

Assuntos Acordo  

Leia também