Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

17 Julho de 2019 | 11h48 - Actualizado em 17 Julho de 2019 | 11h50

Justiça turca absolve representante da RSF julgado por "propaganda terrorista"

Istambul - O representante da organização Repórteres Sem Fronteiras (RSF) na Turquia, Erol Önderoglu, acusado de "propaganda terrorista" por ter colaborado com um jornal pró-curdo, foi absolvido nesta quarta-feira (17) por um tribunal turco, noticiou a AFP.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Dístico dos Repórteres Sem Fronteiras (RSF)

Foto: Divulgação

A decisão do juiz de absolver Önderoglu, que não esteve presente no tribunal, foi recebida com aplausos na sala de audiências, segundo um correspondente da AFP no local.

Önderoglu corria o risco de ser condenado a mais de 14 anos de prisão por ter participado de uma campanha de solidariedade em favor do Özgür Gündem, um jornal que foi fechado acusado de ligações com a rebelião curda.

O escritor-jornalista Ahmet Nesin e a presidente da Fundação dos Direitos Humanos, Sebnem Korur Fincanci, que eram julgados no mesmo processo, também foram absolvidos.

Todos os três foram presos em Junho de 2016 por cerca de 10 dias, antes de serem colocados em liberdade condicional durante o longo julgamento sob as acusações de "propaganda terrorista", "apologia ao crime" e "incitação ao crime".

O tribunal também decidiu que eles podem reivindicar uma "indemnização financeira" pelos dias que passaram em detenção.

"Estamos profundamente aliviados com a absolvição de Erol Önderoglu e de seus colegas. Mas, por si só, esses três anos de procedimentos absurdos já foram uma forma de punição", reagiu a RSF em um tuíte.

Önderoglu, que actualmente está no exterior, está sendo processado sob a mesma acusação de "propaganda terrorista" em outro processo, cujo julgamento está marcado para começar em 7 de Novembro, por apoiar académicos que assinaram uma petição pedindo o fim das operações de segurança no sudeste da Turquia, uma região de maioria curda.

"Essas acusações devem ser anuladas", acrescentou a RSF no Twitter.

"A absolvição de Erol Onderoglu, representante da @RSF_inter na Turquia, que foi processado por propaganda terrorista há três anos, é uma vitória excepcional para a justiça e para a liberdade de imprensa em um país onde ambas são violadas todos os dias", comemorou, por sua vez, o secretário-geral da RSF, Christophe Deloire, também no Twitter.

A prisão e o julgamento de Önderoglu em Junho de 2016 provocaram uma onda de protestos na Turquia e no exterior.

O regime islâmico-conservador do presidente Recep Tayyip Erdogan, cujo partido está no poder desde 2002, é acusado de amordaçar a imprensa independente na Turquia, especialmente desde a fracassada tentativa de golpe em 15 de Julho de 2016, seguida de expurgos de uma escala sem precedentes.

Assuntos Justiça  

Leia também
  • 17/07/2019 08:35:34

    Bolsonaro não recorre da absolvição do homem que o esfaqueou

    Brasília - A defesa do Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, não recorreu da decisão que absolveu o homem que confessou tê-lo esfaqueado em setembro passado, durante a campanha eleitoral, tendo o caso sido encerrado, informou hoje a justiça federal, noticiou a Lusa.

  • 17/07/2019 08:11:08

    Líder da igreja Luz do Mundo permanece preso por abuso infantil

    Los Angeles - Um tribunal da cidade de Los Angeles não aceitou na terça-feira liberdade sob fiança ao líder mexicano da igreja Luz do Mundo Naasón Joaquín García, acusado de abuso de menores, noticiou a AFP.

  • 12/07/2019 09:12:30

    Tribunal de Berlim ordena repatriamento de mulher e filhos de jihadista

    Berlim - Um tribunal alemão determinou que o ministério dos Negócios Estrangeiros germânico deve repatriar, nos próximos dias, a mulher e os três filhos de um homem suspeito de ser jihadista do autoproclamado Estado Islâmico, noticiou hoje a Lusa.