Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

11 Setembro de 2019 | 18h03 - Actualizado em 11 Setembro de 2019 | 18h03

Incêndios no Paraguai tornam-se incontroláveis

Assunção - O director da Fiscalização Integrada do Ministério do Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, Julio Mareco, expressando a sua preocupação, disse em entrevista à Sputnik Mundo, que o melhor que pode acontecer ao Paraguai para controlar os incêndios no norte do país são as chuvas, sendo que há 2 mil focos e a situação tornou-se incontrolável.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira do Paraguai

Foto: Foto divulgação

"Este incêndio com tantos focos está a ficar descontrolado. Não somos capazes de lidar com ele. É incontrolável. Pedimos às pessoas que evitem a limpeza com uso de fogo, porque isso se descontrola [...] Até que venha uma chuva intensa, vamos ficar ainda nesta situação [...] O melhor que pode acontecer ao Paraguai é chover, porque está incontrolável", disse Mareco.

Ele destacou que a prioridade das autoridades são as áreas protegidas, sendo que o fogo ganhou nova força na zona de Chovoreca.

No entanto, activistas e especialistas advertiram em uma conferência de imprensa que o fogo no norte do país continua a avançar, enquanto milhares de animais morrem na sequência do incêndio.

Em 10 de Setembro, o Fundo Mundial para a Natureza (WWF, na sigla em inglês) advertiu que tinham sido registados 7.853 focos de incêndio no Paraguai nas últimas 12 horas.

"Os bombeiros estão desesperados […] Onde se ponha o nariz é tudo fumo, fogo, é como ver um inferno. Está absolutamente tudo queimado, vimos muitíssimos animais mortos", disse no dia 10 de Setembro Danilo Krause, activista do Refúgio Urutaú.

O Chaco paraguaio é a região mais extensa do país, com 250.900 quilómetros quadrados e 234.000 habitantes.

Assuntos Incêndio  

Leia também