Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

02 Outubro de 2019 | 17h11 - Actualizado em 02 Outubro de 2019 | 17h20

Presidente dos EUA considera que está a ser vítima de um golpe de Estado

Washington - O Presidente norte-americano, Donald Trump, considerou, na noite de terça-feira, que o processo de destituição que o ameaça é um golpe de Estado.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Donald Trump, Presidente dos EUA (Foto arquivo)

Foto: Google/Divulgação

Na rede social Twitter, Trump escreveu: “Cheguei à conclusão que o que está em vias de ocorrer não é um ‘impeachment’ (destituição). É um GOLPE DE ESTADO”.

Esta afirmação de Trump, segundo a Lusa, culmina uma série de ataques generalizados que tem feito nos últimos dias à oposição democrata.

Assuntos Internacional   Política  

Leia também
  • 01/10/2019 13:33:18

    Antigo vice-chanceler austríaco Strache encerra carreira política

    Viena - O antigo vice-chanceler austríaco Heinz-Christian Strache anunciou nesta terça-feira que suspendeu a sua participação no Partido da Liberdade da Áustria (FPÖ/extrema-direita) e encerrou a sua carreira política após um escândalo de corrupção, noticiou a Reuters.

  • 01/10/2019 04:33:12

    Congresso do Peru suspende Vizcarra e nomeia presidente interina

    Lima - O Congresso do Peru, controlado pela oposição, aprovou segunda-feira a suspensão "temporária" do presidente Martín Vízcarra por "incapacidade moral", após o mandatário dissolver o Parlamento, e nomeou como presidente interina a vice-presidente Mercedes Aráoz.

  • 01/10/2019 04:24:38

    EUA restringe vistos para cubanos encarregados de médicos no exterior

    Washington - O departamento americano de Estado anunciou segunda-feira que restringirá os vistos de funcionários cubanos responsáveis pelo programa de missões de médicos no exterior, denunciando que os profissionais foram submetidos a restrições de movimento, vigilância e retenção de documentos.