Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

18 Outubro de 2019 | 09h40 - Actualizado em 18 Outubro de 2019 | 10h49

Será "extremamente complicado" se o Parlamento britânico rejeitar acordo

Bruxelas - O presidente da Comissão Europeia alertou, na quinta-feira, para uma situação "extremamente complicada", caso o Parlamento britânico rejeite o novo acordo para o Brexit, entre Bruxelas e Londres, noticiou nesta sexta-feira a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Jean-Claude Juncker, Presidente da Comissão Europeia (arquivoa9

Foto: JOHN THYS

"Se isso acontecer, vamos encontrar-nos numa situação extremamente complicada", disse Jean-Claude Juncker aos jornalistas, no final do primeiro dia da cimeira da UE em Bruxelas.

No mesmo dia, o presidente da Comissão Europeia descartou um novo adiamento da saída do Reino Unido da UE (Brexit), prevista para 31 de Outubro, defendendo que perante um acordo reformulado não há argumentos para novas extensões, mesmo que o Parlamento britânico rejeite o texto.

O acordo de saída revisto do Reino Unido da UE foi alcançado na quinta-feira entre a Comissão Europeia e o Governo britânico, e foi aprovado no mesmo dia pelos chefes de Estado e de Governo dos 27.

"O Conselho Europeu endossou este acordo (...) Nessa premissa, o Conselho Europeu convida a Comissão, o Parlamento Europeu, e o Conselho a empreenderem os passos necessários para assegurar que o acordo entra em vigor a 01 de Novembro de 2019", declarou o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk.

"A principal alteração é o facto de o primeiro-ministro (Boris) Johnson ter aceitado a existência de controlo alfandegários nos pontos de entrada na Irlanda do Norte. Este compromisso permite-nos evitar controlo entre a Irlanda e a Irlanda do Norte e assegura a integridade do mercado único", notou.

O acordo tem agora de ser ratificado pelo Parlamento Europeu (PE) e pelo Parlamento britânico.

Assuntos Parlamento  

Leia também