Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

15 Janeiro de 2020 | 08h42 - Actualizado em 15 Janeiro de 2020 | 10h32

Brasil reajusta salário mínimo que passa a ser de 227 euros em Fevereiro

Brasília - O Presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, e o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciaram terça-feira um reajuste no valor do salário mínimo mensal de 1.039 reais (226 euros) para 1.045 reais (227 euros), a partir de Fevereiro, noticiou a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Jair Bolsonaro, Presidente do Brasil (arquivo)

Foto: Angop

"Tivemos uma reunião tranquila, coordenada pelo Paulo Guedes. Tivemos uma inflação atípica em Dezembro, não esperávamos que ela fosse tão alta assim. Foi, basicamente, do sector da carne e tínhamos de fazer com que o valor do salário mínimo fosse mantido. Então, ele passa, via medida provisória, de 1.039 para 1.045 reais, a partir de 01 de Fevereiro", afirmou Jair Bolsonaro à imprensa.

Na manhã de terça-feira, o chefe de Estado já tinha declarado a existência de espaço orçamental para aumentar o salário mínimo este ano e corrigir as perdas com a inflação de 4,48 por cento registada em 2019.

O Governo brasileiro fixou o salário mínimo para 2020 no valor de 1.039 reais, o que representou um reajuste de 4,1 por cento face ao salário mínimo pago em 2019 (998 reais, cerca de 217 euros), ou seja, abaixo da subida de preços registada no país.

Paulo Guedes afirmou, após o anúncio do reajuste, que os recursos para cobrir as despesas com este aumento devem ter origem numa receita extra de oito mil milhões de reais (1,7 mil milhões de euros) que o executivo brasileiro pretende anunciar nos próximos dias.

"Eu prefiro não falar da natureza do ganho, porque vai ser anunciado, possivelmente, em mais uma semana. Nós já vamos arrecadar mais oito mil milhões de reais, mas não é aumento de impostos, não é nada disso. São fontes que estamos a procurar, são oito mil milhões que vão aparecer, de forma que, esse aumento (do salário mínimo) (...) vai caber no Orçamento", declarou o ministro.

No entanto, o governante esclareceu que, caso essa previsão de entrada de dinheiro extra não se concretize, há a possibilidade de recorrerem a "contingenciamentos" de verbas públicas.

"Naturalmente, dependendo das coisas que estamos a estimar, se não acontecerem, pode haver um contingenciamento", informou Guedes à imprensa.

O ministro da Economia estimou o impacto do novo aumento do salário mínimo em 2,3 mil milhões de reais (cerca de 500 milhões de euros) nos cofres públicos.

O reajuste será feito através de uma nova Medida Provisória (MP), que necessita de ser aprovada pelo Congresso brasileiro em 120 dias para não perder a validade.

De acordo com Guedes, ao promover o aumento do mínimo para 1.045 reais, Jair Bolsonaro defendeu o que está escrito na Constituição brasileira, que é a necessidade de manutenção do poder de compra.

Assuntos Dinheiro  

Leia também
  • 14/08/2019 17:54:40

    Único apostador ganha 209 milhões de euros na lotaria na Itália

    Roma - Um jogador de sorte que ainda não é conhecido ganhou nesta quarta-feira 209 milhões de euros no SuperEnalotto, um recorde na Itália, através de um bilhete automático comprado num bar em Lodi, perto de Milão, no norte do país.

  • 19/06/2019 01:10:01

    Maduro vendeu 7,4 toneladas de ouro venezuelano na África, diz jornal dos EUA

    Caracas - O presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, vendeu em Março deste ano 7,4 toneladas de ouro procedente das reservas do país, por um valor de 300 milhões de dólares para refiná-lo na África e assim evitar as sanções americanas, afirmou na terça-feira o jornal "The Wall Street Journal".

  • 07/06/2019 15:06:02

    Putin quer "redefinir o papel do dólar" no sistema financeiro

    São Petersburgo - O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, defendeu nesta sexta-feira uma mudança para "redefinir o papel do dólar" no sistema financeiro mundial, ao considerar que a moeda americana tornou-se um "instrumento de pressão" utilizado pelos Estados Unidos da América.