Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

05 Fevereiro de 2020 | 13h12 - Actualizado em 05 Fevereiro de 2020 | 13h12

Argentina vai propor à França renegociar acordo Mercosul-UE

Buenos Aires - O presidente argentino, Alberto Fernández, vai pedir hoje o apoio do seu homólogo francês, Emmanuel Macron, para renegociar o acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul e propor uma aliança baseada no proteccionismo, noticiou a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

 

Embora a prioridade do Governo argentino na reunião prevista para hoje com Macron em Paris seja conseguir o apoio político do governo francês para outra renegociação, a da dívida argentina junto ao Fundo Monetário Internacional, Alberto Fernández vai sondar a possibilidade de ter a França como aliada na intenção de rever aspectos do acordo comercial.

Alberto Fernández pretende argumentar que devem ser evitadas as assimetrias que prejudiquem a indústria argentina.

"É preciso ver como o acordo será implementado para evitar assimetrias", disse Alberto Fernández na sexta-feira, depois de uma reunião com o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte.

A posição argentina foi explicada aos governos de Itália, Alemanha e Espanha, países que Alberto Fernández visitou desde sexta-feira quando iniciou a ronda pela Europa que termina hoje em França.

Em nenhum dos países anteriores a posição argentina encontrou eco.

"Nesta viagem à Europa, a Argentina procura um aliado europeu crítico do pacto. Alberto Fernández pensa em usar a reunião com Emmanuel Macron para colocar sobre a mesa o acordo Mercosul-UE, mas não sei se os dois governos tornarão público esse ponto da reunião", indica à Lusa Marcelo Elizondo, director da consultora Desenvolvimento de Negócios Internacionais e um dos maiores especialistas em comércio exterior da Argentina.

Para Elizondo, as hipóteses de Alberto Fernández tornar o assunto público diminuíram depois da reunião com a chanceler Angela Merkel, em Berlim, na segunda-feira.

O governo argentino vê na posição de sectores agrícolas franceses e na difícil posição política de Emmanuel Macron uma hipótese de unir resistências ao acordo que eliminará, gradualmente, as barreiras tarifárias.

O acordo assinado em Junho passado, depois de 20 anos de negociações, está na fase de revisão legal, prevista para terminar em Março.

A partir desse ponto, começará a fase seguinte, em que o acordo terá de ser ratificado pelos Parlamentos de cada país, um processo que pode levar cerca de dois anos. Só depois entrará em vigência, inaugurando um processo paulatino de abertura comercial que pode levar até 15 anos, dependendo do sector.

Na Europa, os Parlamentos de cada país precisam de aprovar o capítulo político, enquanto para o capítulo comercial basta a aprovação da Comissão Europeia que já se mostrou contrária a uma revisão.

Nos países do Mercosul - Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai - os Congressos precisarão aprovar todos os capítulos, mas na Cimeira do bloco, em Julho passado, quando ainda governava o ex-presidente argentino, Mauricio Macri, os países do Mercosul concordaram que o acordo entraria em vigência em cada país, individualmente, à medida que cada Parlamento o aprovasse.

Os governos já previam o que poderia acontecer na Argentina se Mauricio Macri perdesse as eleições para Alberto Fernández.

Assim, o acordo Mercosul-União Europeia poderá entrar em vigência mesmo que a Argentina fique de fora.

A postura de Alberto Fernández afasta-o dos demais parceiros do Mercosul, todos a favor do acordo.

A Argentina é hoje uma ilha proteccionista cercada por governos favoráveis à abertura comercial.

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 31/01/2020 13:57:20

    PR turco acusa países árabes de traição

    Ancara - O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusou esta sexta-feira alguns países árabes de cometerem 'traição' por permanecerem 'calados' sobre o plano de paz apresentado pelo Presidente norte-americano para tentar resolver o conflito israelo-palestiniano, noticiou a Lusa.

  • 31/01/2020 11:25:08

    Argentina nomeia mulher negra como embaixadora no Vaticano

    Buenos Aires - O governo argentino escolheu a diplomata Maria Fernanda Silva como a nova embaixadora do país na Santa Sé, noticiou hoje a agência ANSA.

  • 31/01/2020 10:38:38

    PM diz aos britânicos que "isto não é o fim, é um começo"

    Londres - O 'Brexit' vai ser celebrado esta sexta-feira com um discurso do primeiro-ministro britânico e manifestações populares a favor e contra a saída do Reino Unido da União Europeia, mas a angariação de fundos para fazer tocar o emblemático Big Ben falhou, noticiou a Lusa.