Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

07 Fevereiro de 2020 | 10h01 - Actualizado em 07 Fevereiro de 2020 | 10h16

Rússia acusa EUA de provocar Caracas e insiste em diálogo sem condições

Moscovo - O ministro dos Negócios Estrangeiros russo acusou nesta sexta-feira os Estados Unidos de provocarem frequentemente a Venezuela e insistiu que Rússia e México apostam ao diálogo, "sem condições prévias", para solucionar a crise venezuelana, noticiou a Reuters.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Serguei Lavrov, Ministro dos Negócios Estrangeiros russo (arquivo)

Foto: VASILY MAXIMOV

"A Rússia e o México apostam em resolver os problemas desse país (Venezuela) apenas através do diálogo entre o Governo (do Presidente Nicolás Maduro) e a oposição, de um diálogo inclusivo entre todas as forças políticas importantes", afirmou Serguei Lavrov.

O chefe da diplomacia russa falava aos jornalistas no México, no final de um encontro com o homólogo mexicano, Marcelo Ebrard, que decorreu no âmbito de uma visita ao país.

Depois de Cuba e do México, Lavrov é esperado hoje na Venezuela, numa deslocação para reforçar a cooperação bilateral entre Caracas e Moscovo.

Os EUA "ameaçam utilizar todas as opções que estão sobre a mesa e organizam regularmente provocações" contra Caracas, afirmando que "não há opções para uma mudança de regime", declarou.

"O diálogo é necessário (...) sem condições prévias, e no qual todas as partes tenham a possibilidade de abordar as soluções que lhes convenham", frisou.

Por outro lado, o responsável russo explicou que durante a visita a Caracas, a Rússia não leva propostas para nenhuma das partes e questionou a utilidade das iniciativas da UE e do Grupo de Lima para encontrar uma solução pacífica para a crise.

A Venezuela, um país com uma das maiores reservas de petróleo do mundo, atravessa há mais de cinco anos uma crise económica, política e social.

A oposição responsabiliza o regime pela contracção da economia, alta inflação, escassez de medicamentos e alimentos, e pela descida na produção de petróleo, a principal fonte de rendimento do país.

Por outro lado, o Governo venezuelano atribui a situação a uma "guerra económica" e a sanções impostas pelos Estados Unidos, que afirma terem sido aprovadas pela oposição do país.

A crise venezuelana agravou-se desde Janeiro de 2019, quando o líder opositor e presidente do parlamento, Juan Guaidó, se autoproclamou como presidente interino da Venezuela até conseguir afastar Nicolás Maduro do poder, convocar um governo de transição e eleições livres no país. Guaidó é apoiado por cerca de 50 países, incluindo Portugal.

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 07/02/2020 10:00:11

    Brasil extradita para Espanha autor de atentado contra comunistas em 1977

    São Paulo - O governo brasileiro extraditou quinta-feira (6) para a Espanha o ultra-direitista Carlos García Juliá, um dos autores do atentado conhecido como "matança de Atocha", ocorrido em Madrid em 1977, noticiou hoje a AFP.

  • 05/02/2020 13:12:46

    Argentina vai propor à França renegociar acordo Mercosul-UE

    Buenos Aires - O presidente argentino, Alberto Fernández, vai pedir hoje o apoio do seu homólogo francês, Emmanuel Macron, para renegociar o acordo comercial entre a União Europeia (UE) e o Mercosul e propor uma aliança baseada no proteccionismo, noticiou a Lusa.

  • 31/01/2020 13:57:20

    PR turco acusa países árabes de traição

    Ancara - O Presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, acusou esta sexta-feira alguns países árabes de cometerem 'traição' por permanecerem 'calados' sobre o plano de paz apresentado pelo Presidente norte-americano para tentar resolver o conflito israelo-palestiniano, noticiou a Lusa.