Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

12 Abril de 2020 | 08h01 - Actualizado em 12 Abril de 2020 | 08h01

Covid-19: Venezuela prolonga quarentena por mais 30 dias

Caracas - O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, decidiu este sábado prolongar por mais 30 dias o estado de alarme que vigora no país desde 13 de Março, para fazer face à pandemia da covid-19.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Nicolás Maduro, Presidente da Venezuela (Foto arquivo)

Foto: Google/Divulgação

O anúncio foi feito pela vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, pouco depois de as autoridades venezuelanas informarem, este sábado, que não foi registado nenhum novo caso de covid-19 nas últimas 24 horas e que, pela primeira vez, o número de pacientes recuperados era superior ao de infectados.

"Queremos informar que o presidente Nicolás Maduro decidiu estender o estado de alarme por mais 30 dias, no âmbito dos estados de excepção contemplados na Constituição. Estamos numa batalha importante. Hoje, a Venezuela pode dizer que a curva (epidemiológica) está achatada e devemos continuar em quarentena ", disse.

Delcy Rodríguez falava no Aeroporto Internacional Simón Bolívar de Maiquetía, onde recebeu o quarto carregamento de ajuda humanitária, de “mais de 30 toneladas de material cirúrgico, no âmbito da cooperação China – Venezuela, para combater a covid-19”.

A vice-presidente venezuelana condecorou uma delegação de médicos especialistas chineses que estiveram em missão na Venezuela e que partiram de regresso à China.

"Estamos a dizer adeus à delegação de médicos chineses que há duas semanas chegaram ao nosso país com todo o seu amor, solidariedade e conhecimento para estar com os nossos médicos e estar na vanguarda do combate à covid-19", disse.

Delcy Rodríguez voltou a insistir que, apesar do bloqueio económico imposto pelos Estados Unidos de América contra Caracas, a Venezuela continuará a combater o coronavírus.

“Oxalá (Donald Trump) cesse as suas agressões e nos permita aceder a medicamentos e alimentos para aliviar o combate à covid-19. Deveria tratar de ser uma pessoa distinta. Ele tem a possibilidade de ajudar a humanidade, mas deve pôr de lado tanto ódio”, frisou.

Por outro lado, o embaixador chinês em Caracas, Li Boarong, sublinhou que “a China e a Venezuela apoiam-se mutuamente”.

“O mundo está em grandes dificuldades devido à pandemia. Nestes momentos, é importante a verdadeira união e cooperação para superar a pandemia e recuperar o crescimento económico”, disse.

A Venezuela tem oficialmente 175 casos e nove mortes associadas à infeção pelo novo coronavírus.

Segundo o ministro de Comunicação e Informação, Jorge Rodríguez, do total de 175 contagiados, 93 (53,1%) foram dados como recuperados.

O país está desde 13 de Março em estado de alerta, o que permite ao executivo tomar “decisões drásticas” para combater a pandemia. O estado de alerta foi decretado por 30 dias, e agora prolongados por igual período.

Os voos nacionais e internacionais estão restringidos no país.

Desde 16 de Março que os venezuelanos estão em quarentena, estando impedidos de circular livremente entre os 24 estados do país.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já provocou mais de 107 mil mortos e infectou mais de 1,7 milhões de pessoas em 193 países e territórios.

Dos casos de infecção, quase 345 mil são considerados curados.

Depois de surgir na China, em Dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde a declarar uma situação de pandemia.

Assuntos Venezuela  

Leia também