Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

30 Junho de 2020 | 20h42 - Actualizado em 30 Junho de 2020 | 20h42

EUA podem atingir os 100 mil casos diários sem intervenção, diz Fauci

Washington - Os Estados Unidos podem ver o número de casos diários de covid-19 aumentar de novo dos 40.000 para 100.000 a menos que haja intervenções para conter a pandemia, alertou hoje Anthony Fauci, director do instituto de doenças infecciosas norte-americano.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira dos Estados Unidos da América

Foto: Divulgação

"Eu não ficaria surpreso se atingíssemos os 100 mil casos por dia se não revertermos a tendência. Estou muito preocupado porque a situação pode piorar", avisou Fauci, durante uma audiência no Senado norte-americano.

O responsável recusou prever o número de mortes que a onda actual pode causar, mas de acordo com uma estimativa divulgada na semana passada pelo Centro de Prevenção e Controlo de Doenças, o país pode atingir entre 130.000 a 150.000 óbitos até 18 de Julho.

O número actual é de, pelo menos, 126.000 mortes e mais de 2,59 milhões o total de contágios, sendo que quatro Estados norte-americanos (Califórnia, Texas, Arizona e Florida) representam metade dos novos casos.

Apesar da decisão do Presidente, Donald Trump, de cortar relações com a Organização Mundial da Saúde (OMS), um alto responsável norte-americano disse hoje que os EUA continuam a trabalhar com a mesma.

"Não fui chamado de volta, não recebi instruções para me retirar", afirmou Brett Giroir, secretário adjunto da Saúde e membro do conselho executivo da OMS.

"De qualquer forma, provavelmente vai haver outro conselho executivo em Outubro, acredito que vamos continuar a trabalhar com a OMS enquanto membros no que diz respeito aos padrões de saúde pública", acrescentou.

Assuntos Internacional  

Leia também