Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

30 Junho de 2020 | 17h42 - Actualizado em 30 Junho de 2020 | 17h41

Paquistão: Primeiro-ministro acusa Índia por atentado contra a Bolsa de Carachi

Karachi - O primeiro-ministro paquistanês, Imran Khan, acusou nesta terça-feira, 30, a Índia de estar por detrás de um ataque, na segunda-feira, 29, que causou sete mortes na Bolsa de Valores de Carachi, centro financeiro do Paquistão.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira do Paquistão

Foto: Tarcísio Vilela

  

“Não temos dúvidas de que a Índia realizou (o ataque) ”, disse Khan, num discurso da Assembleia Nacional, dizendo que o objectivo dos agressores foi “criar uma atmosfera de instabilidade e incerteza no país”, fazendo reféns na bolsa.

Na segunda-feira, logo após a abertura da Bolsa, quatro atacantes lançaram granadas para a entrada do edifício, abrindo de seguida fogo com armas, perante a reacção das forças de segurança, que mataram os atacantes em oito minutos, tendo sofrido três baixas, com a morte de um polícia e de dois seguranças, para além de vários outros feridos.

A acção foi reivindicada pelo Exército de Libertação de Baluchi, um dos grupos armados que lutam pela independência naquela província do sudoeste do país, uma das mais violentas do Paquistão, onde se faz sentir a presença de vários grupos armados separatistas, para além de facções talibãs e grupos jihadistas.

Para o primeiro-ministro paquistanês, os atacantes queriam realizar um ataque semelhante ao ocorrido em Bombaim, em 2008, no qual 10 terroristas atacaram alvos diferentes no centro económico da Índia.

Nessa altura, Estados Unidos e Índia acusaram o grupo paquistanês Lashar-e-Taiba de estar por detrás desse ataque na metrópole indiana, que causou 166 mortes.

Khan disse hoje que as agências de informação do seu país estão em alerta há dois meses e que impediram quatro ataques terroristas, dois dos quais perto de Islamabad.

O ministro dos Negócios Estrangeiros do Paquistão, Shah Mehmood Qureshi, também culpou a Índia por apoiar “as células adormecidas” de grupos terroristas que operam no território paquistanês.

A Índia e o Paquistão travaram já três guerras, desde a sua independência do Império Britânico, em 1947, duas delas na região de Caxemira, que continua a ser uma zona disputada, com sucessões de conflitos armados.

Assuntos Polícia  

Leia também
  • 30/06/2020 17:34:04

    Venezuela: Portugal manifesta “firme repúdio” pela expulsão da embaixadora da UE

    Lisboa - O Ministério português dos Negócios Estrangeiros manifestou nesta terça-feira, “firme repúdio” pela expulsão da embaixadora da União Europeia em Caracas, a portuguesa Isabel Brilhante Pedrosa, considerando que a medida não contribui para resolver a crise política na Venezuela.

  • 05/06/2020 16:30:06

    França: Covid-19 está "controlado"

    Paris - A epidemia da Covid-19 está actualmente ?controlada? em França, declarou esta sexta-feira, 05, o Presidente do Conselho Científico, professor Jean-François Delfraissy.

  • 07/05/2020 12:13:51

    Parlamento aprova acordo de Governo entre Netanyahu e Gantz

    Jerusalém - O parlamento israelita aprovou hoje a formação de um governo de união entre o primeiro-ministro em funções, Benjamin Netanyahu, e o seu ex-rival Benny Gantz para acabar com a mais longa crise política da história moderna do país.