Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

14 Agosto de 2020 | 10h31 - Actualizado em 14 Agosto de 2020 | 09h11

EUA apresam quatro cargueiros iranianos de transporte de gasolina

Houston - As autoridades norte-americanas apresaram, pela primeira vez, quatro petroleiros iranianos que transportavam gasolina para a Venezuela, noticiou, na quinta-feira, o diário The Wall Street Journal (WSJ).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira dos Estados Unidos da América

Foto: Divulgação

Os cargueiros Luna, Pandi, Bering e Bella foram apresados em alto-mar, há alguns dias, depois de uma autorização emitida por um juiz federal e estão em rota para Houston, no Texas (sul dos Estados Unidos).

A medida contra os navios foi aplicada sem uso da força, indicou o WSJ, citando um responsável, que pediu o anonimato.

A confiscação dos petroleiros aconteceu depois de, no ano passado, os Estados Unidos terem recorrido, sem sucesso, a acordos judiciais para obter o controlo sobre o navio-tanque iraniano Grace 1, capturado em Gibraltar.

Na semana passada, um juiz federal, em Washington, considerou que os procuradores federais tinham apresentado provas suficientes de que o Grace 1 e o combustível eram activos de uma organização terrorista.

Segundo o jornal, dois dos barcos agora confiscados, o Bering e o Bella, navegavam por águas de Cabo Verde quando foi apresentada a denúncia, pedindo o apresamento.

Por outro lado, o Luna e o Pandi teriam enviado, por última vez, um sinal de rádio, a partir de águas de Omã, há um mês.

Washington afirmou que um empresário iraniano, alegadamente membro dos Guardas da Revolução, considerados terroristas pelas autoridades norte-americanas, organizou entregas de combustível através de uma rede de empresas fantasmas para evitar que fossem descobertas e assim fugir às sanções em vigor, acrescentou o WSJ.

Em Maio de 2019, as autoridades norte-americanas confiscaram um barco de Coreia do Norte, que afirmaram ter sido usado para transportar carvão, numa violação das sanções norte-americanas e internacionais ao país.

A medida contra os navios é a última de uma série de acções para pressionar Teerão e Caracas, na sequência de sanções económicas impostas por Washington.

A confiscação tem lugar numa altura em que há escassez de gasolina na Venezuela, país que em maio recebeu cinco navios com 245 milhões de litros de combustível enviados pelo Irão, numa acção de "solidariedade e valentia", nas palavras do Presidente venezuelano, Nicolás Maduro.

Entretanto, Washington aplicou sanções aos capitães dos barcos Clavel, Petunia, Fortuna, Bosque e Faxon, que transportaram esse combustível.

Nos últimos dias ocorreram protestos em várias localidades venezuelanas, devido à falta de combustível.

A imprensa venezuelana noticiou que os barcos agora confiscados vão ficar bloqueados em território norte-americano e impedidos de navegar em águas dos Estados Unidos.

Assuntos Internacional  

Leia também
  • 14/08/2020 10:01:54

    Paris prevê reciprocidade a quarentena obrigatória imposta por Londres

    Paris - A França lamentou hoje a decisão do Reino Unido de reintroduzir a quarentena para cidadãos oriundos do seu país, por causa do aumento do número de contagiados pelo novo coronavírus, sublinhando que vai implementar "uma medida de reciprocidade".

  • 14/08/2020 09:46:42

    Peritos em direitos humanos da ONU exigem inquérito em Beirute

    Beirute - Peritos em direitos humanos da Organização das Nações Unidas reclamaram na quinta-feira um inquérito independente e rápido sobre a explosão que destruiu parte de Beirute e expressaram a sua inquietação perante a "impunidade" dos dirigentes políticos libaneses.

  • 14/08/2020 09:37:39

    Coreia do Norte levanta confinamento em cidade com primeiro caso

    Pyongyang - O líder da Coreia do Norte levantou o confinamento na cidade de Kaesong, onde milhares de pessoas estiveram em quarentena, após o anúncio do primeiro caso de Covid-19 no país, noticiou hoje a agência oficial norte-coreana.