Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

16 Setembro de 2020 | 00h01 - Actualizado em 15 Setembro de 2020 | 20h47

Covid-19: Quase 900 milhões de crianças não regressaram ainda à escola - Unicef

Nova Iorque - Quase 900 milhões de crianças em todo o mundo não regressaram ainda à escola devido à pandemia da covid-19, o que as pode tornar mais vulneráveis ao trabalho infantil e à violência, advertiu terça-feira a directora-executiva da Unicef, Henrietta Fore.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Logotipo da UNICEF

Foto: Divulgação

Henrietta Fore participou hoje numa conferência de imprensa virtual sobre a covid-19 e as crianças, juntamente com dirigentes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e da UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura).

A directora-executiva do Unicef disse que "há uma percentagem elevada de países que não têm nenhum plano para a retoma das aulas" e que 872 milhões de crianças ainda não voltaram às escolas, o que as torna "mais vulneráveis" ao trabalho infantil e a abusos sexuais, à violência física e emocional.

"Quanto mais tempo as crianças ficam ausentes da escola, mais dificuldade têm em regressar à escola", sustentou, avisando que "há o risco de que milhões de crianças acabem no abandono escolar devido à covid-19".

Para Henrietta Fore, deve ser dada "prioridade à reabertura das escolas", mas também "aumentar as possibilidades do ensino à distância", nomeadamente através da rádio e da televisão, quando as escolas se mantenham fechadas.

A directora-executiva da Unicef realçou, ainda, que pelo menos 463 milhões de crianças não tiveram acesso ao ensino à distância por falta de computadores ou de ligação à internet.

A directora-geral da UNESCO, Audrey Azoulay, enfatizou que "metade da população escolar mundial não voltou ainda às escolas" e advertiu que 11 milhões de meninas correm o risco de "nunca voltar às aulas".

Para Audrey Azoulay, a reabertura de "forma segura" das escolas deve "ser uma prioridade", sendo que nos "meios mais desfavorecidos" as escolas garantem não só a educação, mas também a saúde, segurança e nutrição das crianças.

"A decisão de encerrar escolas deverá ser o último recurso, algo temporário e só a nível local, em lugares onde há transmissão entre crianças", referiu, por sua vez, o director-geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, acrescentando que, nesses casos, deve ser acautelado o ensino à distância.

"É possível que o vírus se transmita nas escolas, uma vez que se transmite nas comunidades", lembrou a epidemiologista e líder técnica da resposta à covid-19 na OMS, Maria Van Kerkhove, reiterando que as crianças também infectam e são infectadas pelo novo coronavírus, mas de forma menos grave.

O director-executivo do Programa de Emergências em Saúde da OMS, Mike Ryan, vincou que "não há soluções mágicas", mas realçou que, para que as crianças possam continuar na escola, os adultos têm de manter o distanciamento físico adequado para travar a transmissão comunitária da infecção.

A pandemia da covid-19 já provocou pelo menos 929.391 mortos e mais de 29,3 milhões de casos de infecção em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência noticiosa francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1.875 pessoas dos 65.021 casos de infecção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direcção-Geral da Saúde.

A covid-19 é uma doença respiratória causada por um novo coronavírus (tipo de vírus) detectado no final de Dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China, que se disseminou rapidamente pelo mundo.

O novo ano escolar, em Portugal, iniciou-se nas escolas públicas na segunda-feira, retomando as aulas presenciais.

Assuntos Internacional  

Leia também
  • 15/09/2020 23:16:02

    Trump reconhece ter considerado eliminar Bashar al-Assad em 2017

    Washington - O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, admitiu hoje que ponderou mandar eliminar o Presidente sírio, Bashar al-Assad, em 2017, mas não o fez porque o então secretário da Defesa, James Mattis, se opôs à ideia.

  • 15/09/2020 22:56:09

    ONU denuncia severa degradação da situação no Iémen

    Nova Iorque - Responsáveis das Nações Unidas manifestaram terça-feira junto do Conselho de Segurança o seu pessimismo sobre a deterioração da situação no Iémen, onde "o espectro da fome está mais presente", denunciando que vários doadores árabes falharam nas suas promessas.

  • 15/09/2020 22:31:26

    Mahmoud Abbas diz que não haverá paz sem fim da ocupação de territórios

    Jerusalém Oriental - O Presidente palestiniano, Mahmoud Abbas, afirmou hoje que "não haverá paz" no Médio Oriente sem o "fim da ocupação" de territórios palestinianos, ao reagir aos acordos de normalização das relações dos Emirados Árabes Unidos e do Bahrein com Israel.