Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Internacional

18 Setembro de 2020 | 14h48 - Actualizado em 18 Setembro de 2020 | 16h31

Opositora Tikhanovskaya pede na ONU firmeza face à repressão na Bielorússia

Minsk - A opositora bielorrussa Svetlana Tikhanovskaya pediu hoje à comunidade internacional "a maior firmeza" face à repressão das manifestações na Bielorrússia, numa mensagem vídeo difundida no Conselho de Direitos Humanos da ONU, noticiou a Lusa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Bandeira da ONU

Foto: Divulgação

A candidata às presidenciais bielorrussas de 09 de Agosto, que se exilou na Lituânia depois de contestar a vitória reivindicada por Alexander Lukashenko, enviou a mensagem por ocasião de um debate de urgência sobre a Bielorrússia no Conselho de Direitos Humanos.

“A situação na Bielorrússia exige uma atenção internacional imediata. Manifestantes pacíficos são detidos ilegalmente, espancados e violados. Alguns deles foram encontrados mortos”, afirmou Svetlana Tikhanovskaya.

A reeleição de Lukashenko, no poder desde 1994, com 80% dos votos, segundo números oficiais, desencadeou um movimento de protesto sem precedente no país, movimento que enfrenta uma repressão policial denunciada como brutal pela oposição e organizações de defesa dos direitos humanos.

“A amplitude e a brutalidade da força considerável utilizada pelo violento regime violam claramente todas as normas internacionais e a Declaração Universal dos Direitos Humanos, adotada pelas Nações Unidas e pela Bielorrússia”, frisou Tikhanovskaya.

A circunstância de a Bielorrússia ser subscritora da Declaração, defendeu, significa “que a comunidade internacional deve reagir com a maior firmeza quando essa obrigação não é respeitada”.

A União Europeia (UE), que pediu o debate de urgência, apelou esta semana para “uma investigação aprofundada” das alegações de abusos contra manifestantes em locais de detenção e a organização não-governamental Human Rights Watch, pediu ao Conselho de Direitos Humanos para fazer uma investigação “o mais rapidamente possível”.

A Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, a chilena Michelle Bachelet, também pediu uma investigação, citando “relatos alarmantes de repressão violenta e contínua de manifestantes pacíficos”.

No final do debate no Conselho de Direitos Humanos, os 47 membros deverão pronunciar-se sobre um projecto de resolução apresentado pela UE que exige a Minsk “permitir investigações independentes, transparentes e imparciais de todas as alegações de violações dos direitos humanos” e garantir que os seus autores são julgados.

O texto apela também às autoridades bielorrussas para iniciarem “um diálogo” com a oposição, a cessarem o uso excessivo da força contra manifestantes e a libertarem todos os prisioneiros políticos, jornalistas, defensores dos direitos humanos, estudantes e outros detidos no contexto das eleições presidenciais.

Pede ainda ao Governo bielorrusso que colabore com o Relator Especial da ONU para Bielorrússia, o que não faz desde 2012, e o autorize a visitar o país.

O projecto pede ainda a Michelle Bachelet que “acompanhe de perto” a crise e que apresente um relatório no princípio de 2021.

A discussão em Genebra deverá prolongar-se, uma vez que a Rússia, principal aliado de Lukashenko, apresentou numerosas emendas.

Assuntos ONU  

Leia também
  • 17/09/2020 09:05:07

    Guterres pede que Israel e palestinianos negoceiem solução política

    Washington - O secretário-geral das Nações Unidas (ONU), António Guterres, pediu na quarta-feira que Israel e palestinianos aproveitem os acordos entre o Estado judaico e dois países árabes para negociar ?uma solução política? para o conflito que os opõe, noticiou a Lusa.

  • 16/09/2020 22:46:52

    ONU refere-se a 11 profissionais de saúde mortos na Síria

    Damasco - O coordenador humanitário da ONU para a Síria, Imran Riza, informou hoje que 11 profissionais de saúde morreram pelo novo coronavírus naquele país numa situação que considerou "preocupante", entre especulações sobre o impacto real da doença no pessoal médico.

  • 16/09/2020 09:54:55

    Covid-19: Presidente da Assembleia Geral da ONU quer reunião sobre pandemia

    Nova Iorque - O novo presidente da Assembleia-Geral da ONU, Volkan Bozkir, anunciou terça-feira a intenção de realizar em Novembro uma cimeira sobre a pandemia da covid-19, um encontro que deverá ser presencial, em Nova Iorque.