Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

19 Abril de 2006 | 19h32

Huíla: Fundação Bantu investiga dança tradicional do Sul do país

Lubango

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Grupo étnico-linguístico Nyaneka-Humbi

Foto: Foto Angop

Lubango, 19/4 - Uma fundação denominada Bantu está a levar a cabo investigações no grupo étnico-linguístico Nyaneka-Humbi (sul de Angola) sobre os aspectos que envolvem as manifestações culturais, sobretudo a dança, para posterior divulgação dentro e fora do país.

Em entrevista concedida à Angop, no Lubango, a responsável pela "Fundação Bantu", a angolana Natacha Mendes, disse que a primeira fase dos trabalhos de investigação se cingiu no estudo da dança tradicional, no município da Humpata a 22 quilómetros do Lubango, capital da província da Huíla, e na comuna do Jiraul, província do Namibe.

A angolana, que também é professora de dança tradicional em Londres, Inglaterra, acrescentou que o estudo desta fase se baseou na recolha de dados sobre dança, rituais e o "modus vivendu" dos Nyaneka-Humbi, localizados na província da Huíla, e em algumas localidades do Namibe.

O trabalho de investigação foi feito em dois dias junto de sobas da região e responsáveis por alguns grupos de dança tradicional local, como é o caso dos Kamantembas, de onde recebeu informações detalhadas de certos aspectos da música e culturas destes povos.

Natacha Medes fez saber que as imagens serão levadas para Londres e se pretende com isso a criação de seriados educacionais que serão apresentados em escolas, estabelecimentos e embaixadas, tudo em prol dos angolanos aí radicados.

As receitas das vendas reverterão a favor de projectos sociais em Angola e para financiar outras pesquisas.

Questionada sobre a visão dos ingleses acerca da dança tradicional africana, Natacha Mendes disse que é ainda pouco conhecida, tudo devido à fraca divulgação.

Considerou que os resultados da sua investigação vão despertar naqueles povos uma outra visão sobre a cultura nacional, em particular, e africana em geral.

No encontro com os Kamatembas, que considerou serem acolhedores, Natacha Mendes descobriu variedades de danças e significados entre a Obanda, Matchicuma, Onienga, Sueka e Ova.

Sugeriu ser necessários que a divulgação de alguns aspectos culturais façam parte do leque de prioridades do governo, para que se evite o desaparecimento de muitos aspectos tradicionais africanos.

Em Londres, daqui a mais duas semanas, junto de equipa, farão amostra daquilo que será os vídeos educacionais, com vista a atrair e sensibilizar potenciais financiadores e organizações que apoiam projectos culturas.

A segunda fase das investigações deverão acontecer dentro de quatro meses, altura em que será apresentado o documentário em vídeo, na Huíla.

O grupo étnico-linguístico Nyaneka-Humbi, de acordo com dados históricos, surge na região do Planalto da Huíla, por volta do século VII onde fundam o reino do Humbi-Inene.

Uma das principais características deste povo é a sua ligação à criação de gado diverso e agricultura de pequena escala.