Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

13 Dezembro de 2012 | 17h44 - Actualizado em 13 Dezembro de 2012 | 19h14

Línguas nacionais são o espelho da cultura angolana

Jornadas Científicas

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Luanda – Os participantes nas 2ª Jornadas Científicas da Faculdade de Letras, da Universidade Agostinho Neto, destacaram hoje, quinta-feira, em Luanda, a importância do ensino das línguas nacionais no país, por serem o espelho da cultura angolana.

As 2ª Jornadas Científicas da Faculdade de Letras, que decorrem sob o lema “as letras e a transversalidade do saber”, dentre outros assuntos, discute a transmissão dos ensinamentos em línguas nacionais.

Solene Cristo, participante ao encontro, referiu que tendo em conta a importância das línguas nacionais, é necessário que sejam mais valorizadas, principalmente no seio da camada jovem.

Segundo a estudante, vários factores impedem os jovens de aprenderem as línguas nacionais, dentre eles a desvalorização pelo facto de muitos se refugiarem em outras culturas e colocarem de parte o que é angolano.

Por sua vez Maria Nkembe, finalista do curso de Língua e Literatura Portuguesa, considerou que o grande problema no aprendizado das línguas nacionais, em parte, tem sido a globalização, que para muitos é apenas a absorção do estrangeirismo.

Benjamim Fernandes, docente de língua Portuguesa e Bantu, enalteceu as regiões onde são ensinadas a língua materna desde a tenra idade, isto, a partir das famílias.

O interlocutor da Angop aplaudiu ainda a variedade etno linguística do país.

Benjamim Fernandes felicitou o Governo de Angola pelo ensino das línguas nacionais, tendo apontado a Faculdade de Letras, instituição que lecciona as línguas Kicongo, Kimbundo, Tchokwé e Umbumdo.

“Hoje já temos aulas de mestrado de línguas nacionais para formar pessoas com conhecimentos científicos em torno do assunto”, disse.

Sobre o encontro, disse esperar que sirva para boas reflexões sobre a realidade sócio linguística de Angola.