Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

02 Setembro de 2016 | 08h13 - Actualizado em 02 Setembro de 2016 | 08h14

Angola: Calou-se a voz da trova de Moíses Kafala

Luanda- Quarenta e sete anos depois dos primeiros passos no mundo da música angolana, calou-se nesta quinta-feira, na Namíbia, vítima de doença, a voz da trova de Moíses Kafala, conhecido e reconhecido no mercado nacional e internacional pela musicalidade de poemas do Poeta Maior, Agostinho Neto, entre os quais "Renúncia Impossível".

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

músico Moíses Kafala morreu, vítima de doença

Foto: Rosário dos Santos

Por Venceslau Mateus

Dezanove anos depois de ter nascido (1950), Josué de Campos, conhecido nas lides artísticas como Moíses Kafala, começa a escrever o seu nome na música angolana com a participação, em 1969, num concurso musical realizado na Escola Primária nº 147, em Luanda, onde saiu vencedor.

Dono de uma voz sublime e tendo a guitarra e a flauta como instrumentos predilectos para o exercício da sua actividade, Moíses Kafala espalhou o charme pelos palcos nacionais e estrangeiros, tanto individualmente como colectivamente com o irmão José de Campos (José Kafala como é conhecido no mundo musical).

A sua carreira ficou ainda marcada com a criação, na década de 1960, de um grupo musical no Internato da Missão Católica dos Bângalas. Foi nesta altura que Moisés Kafala compõe "Papá" um tema que viria a ser um dos grandes êxitos do duo que forma, em 1987, com o irmão José Kafala.

Moíses Kafala tornou-se num dos mais representativos trovadores do período pós-independência, na companhia do irmão José Kafala.

Moisés Kafala nasceu em Bula Atumba, província do Bengo, no dia 7 de Setembro de 1950.

Em 1976, viaja de Luanda para Benguela, onde encontra o seu irmão José e integra o grupo Shalon, uma formação ligada à Igreja Católica. Neste grupo Moisés era guitarrista solo e vocal, enquanto José, apenas cantava. Moisés Kafala é chamado, meses depois, a integrar o conjunto 1º de Agosto, formação ligada ao Centro de Instrução Rodoviária Militar de Benguela, numa altura em que José Kafala abandona, parcialmente, a música.

Em 1980, Moisés Kafala tenta o teatro, no Grupo Experimental Primeiro de Maio, como compositor e actor, e representa a peça teatral "A Praga" de Óscar Ribas. Ainda em 1980, participa no Festival Nacional da Canção Política realizado no Huambo, tendo conquistado o primeiro lugar.

Em 1981, começa a internacionalização de Moisés Kafala quando participa, em Berlim, no 12º Festival Internacional da Canção Política.  

Assuntos Angola   Música  

Leia também
  • 02/02/2019 02:11:17

    Resenha Cultural: Apresentação da Bienal de Paz de Luanda marca semana

    Luanda - A apresentação pública da primeira edição da Bienal de Paz de Luanda - Fórum Pan-Africano da Cultura da Paz em África, a acontecer entre 18 a 22 de Setembro deste ano, com a participação de 12 países, marcou a semana que hoje, sábado, termina.

  • 01/02/2019 12:19:24

    Bienal de Paz de Luanda marcada para Setembro

    Luanda - A primeira edição da Bienal de Paz de Luanda - Fórum Pan-Africano da Cultura da Paz em África acontece entre 18 a 22 de Setembro deste ano, com a participação de 12 países.

  • 30/01/2019 17:20:42

    Ndaka Yo Wini representa Angola no Festival Internacional de Jazz

    Luanda - O músico, compositor e investigador cultural, Ndaka Yo Wini, vai representar Angola no Festival Internacional de Jazz na África do Sul, a decorrer nos dias 29 a 30 de Março deste ano na Cidade do Cabo.

  • 29/01/2019 18:55:43

    Angola declina participação na Bienal de Veneza 2019

    Luanda - O Ministério da Cultura avançou, nesta terça-feira, em Luanda, que, apesar de ter manifestado o seu interesse em participar na 58.ª edição da Exposição Internacional de Arte - Bienal de Veneza 2019, em Itália, não foram reunidas as condições e garantias para a participação do país neste evento.