Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

29 Dezembro de 2017 | 01h26 - Actualizado em 29 Dezembro de 2017 | 07h35

Músico quer maior intercâmbio cultural entre Angola e Cuba

Luanda - O músico angolano Zé Maria Boyoth defendeu quinta-feira, em Luanda, um maior intercâmbio cultural entre Angola e Cuba, com o intuito de fortalecer, reconhecer e eternizar a relação histórica entre os dois povos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Cídia Boyoth Cantora

Foto: ANTONIO ESCRIVAO

O autor fez esta defesa quando falava à Angop, à margem da apresentação conjunta do seu novo disco intitulado “Cubangola” e o da sua filha, Cídia  Boyoth, denominado “ Livro meu amigo.  

Segundo Zé Boyoth, Cubangola que teve a participação de artistas cubanos e é uma mistura de ritmos afro-latinos e angolanos cantados em português, espanhol e kimbundu.

“Este disco significa para mim o simbolismo e união de duas manifestações culturais, cujos povos têm uma ligação histórica e política”, aclarou.

O CD com 15 músicas é uma mistura de Timba (evolução do estilo salsa, considerado um movimento de resistência, na reafirmação da identidade e das suas raízes africanas e o Semba angolano).

O artista defendeu a necessidade de se divulgar mais a música infantil, com a finalidade  de  motivar  o  aparecimento de mais músicos infantis  e  por  forma  a que sirva  o  papel   de  educar  e ensinar  as  crianças.

Para o  Zé  Maria Boyoth, as rádios e televisões devem dar maior  espaço  de  antena  a este  género musical, porque tem uma  importância  vital  na  formação  do intelecto  das   crianças.

Por  sua   vez, a  cantora  infantil Cídia Boyoth, autora  do “Livro meu amigo”, com 14 músicas, cujas letras  falam da importância   da  leitura e do amor o próximo, disse  é  preciso  que  se  valorize mais a música infantil.

O disco  traz a público temas cantados em  português  e  espanhol   e  a  língua  nacional  kimbundu, tendo sido produzido em Cuba e  com a participação de artistas cubanos.

Zé Maria Boyoth gravou o CD “Surukukú”, 1993, que inclui o Tia Madia”, e o disco “Jogo mágico”, 1998. Depois de 12 anos de silêncio discográfico, surgiu no mercado, em Fevereiro de 2010, o CD “Bênção”, totalmente produzido em Angola, com 14 canções cantadas em português e Kimbundopara o trabalho.

Assuntos Cultura   Província » Luanda  

Leia também
  • 28/12/2017 21:19:54

    Licenciadas seis festas de réveillon na Ingombota

    Luanda - Seis pedidos de festas de fim de ano (réveillon) foram autorizadas pela repartição de cultura e turismo da administração do distrito urbano da Ingombota, nas últimas 24 horas.

  • 28/12/2017 15:12:49

    Aberta jornada do Dia da Cultura Nacional

    Uíge- A abordagem sobre "A Cultura como vector de Desenvolvimento" marcou hoje, quinta-feira, a abertura da jornada alusiva as comemorações do 8 de Janeiro, Dia da Cultura Nacional, cujas actividades decorrerão em todos os municípios da província.

  • 26/12/2017 17:25:57

    Legalização das festas de réveillon encerram quarta-feira no Bié

    Cuito - Os promotores de festas de réveillon da província do Bié têm até quarta-feira (27) para legalizarem os seus eventos junto da direcção local da Cultura ou das administrações municipais, sob pena de verem o baile interdito.