Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

09 Fevereiro de 2018 | 14h04 - Actualizado em 09 Fevereiro de 2018 | 13h53

Semba domina estilo de dança do Carnaval de Luanda

Luanda- Trinta e dois dos 41 grupos carnavalescos que vão desfilar na pista da Nova Marginal de Luanda, a partir deste sábado, 10, o farão dançando Semba.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

União Operário Kabocomeu defensor do kazukuta

Foto: Pedro Parente

O histórico e recordista de títulos (12) do Carnaval de Luanda, o União Mundo da Ilha, do distrito urbano da Ingombota, volta a apostar no Semba .

O Kazukuta será dançando por cinco grupos, entre os quais União  Operário  Kanbocomeu e o União Kazukuta do Sambizanga, ambos dos distrito Urbano do Sambizanga.

Já o União Twabixila, da Viana, vai exibir-se ao ritmo da Dizanda.

A Cabecinha será representada por dois grupos, o União Njinga a Mbande (classe A) e o Viveiros do Njinga a Mbande (classe infantil).

O grupo União Kwanza vai exibir-se ao ritmo da Kabetula.

Semba

O Semba é um dos estilos de dança e de música angolano mais populares. A palavra semba significa umbicada em Kimbundo.

A estrutura mais antiga do Semba situa-se na masemba (umbigada), uma dança angolana caracterizada por movimentos que implicam o encontro do corpo do homem com o da mulher: o cavalheiro segura a senhora pela cintura e puxa-a para si provocando um choque entre os dois (semba).

Cabecinha, também conhecida como Kabetula, é um estilo de dança carnavalesca da região do Bengo. A realização da dança consiste em saracoteios bem rápidos e saltos acrobáticos. As vestes dos bailarinos costumam ser camisolas, de preferência brancas, ou de tronco nu com lenços amarrados na cabeça e outro no pulso. Além disso, outro acessório indispensável para a execução da dança é o apito, que serve para fazer as marcações rítmicas do comandante da dança.

A Kazukuta é a dança por excelência que é de sapateado lento, seguido de oscilações corporais, firmando-se o bailarino, ora no calcanhar, ora na ponta dos pés, apoiando-se sobre uma bengala ou guarda-chuva. Os tocadores usam instrumentos como latas, dikanzas, garrafas, arcos de barril e, para algumas variações rítmicas, a corneta de latão e caixa corneta. Os bailarinos trajam-se de calças listadas e casacas devidamente ornamentadas, representando alguns postos do exército, cobrindo o rosto com uma máscara, representando alguns animais, para melhor caricaturar jocosamente o inimigo (o opressor).

Dizanda

Surgida por volta de 1895, a Dizanda foi exibida pela primeira vez no Carnaval de 1901, atingindo o seu apogeu entre os anos de 1910 à 1918 e expandiu-se para Luanda nos anos 30 do século XX, onde mais tarde se fixa. A Dizanda é originária da região do Icolo e Bengo, nomeadamente de localidades como Mazozo, Guimbe, Botomona, Kindambiri, Lumbondo, Uála, Calomboloca, Ambriz e Caxito (Bengo).

Kabetula

A Kabetula é um estilo de dança carnavalesca da região do Bengo. A realização da dança consiste em saracoteios bem rápidos e saltos acrobáticos. As vestes dos bailarinos costumam ser camisolas, de preferência brancas, ou de tronco nu com lenços amarrados na cabeça e outro no pulso. Além disso, outro acessório indispensável para a execução da dança é o apito, que serve para fazer as marcações rítmicas do comandante da dança.

Assuntos Angola   Carnaval  

Leia também