Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

23 Novembro de 2018 | 19h59 - Actualizado em 23 Novembro de 2018 | 19h59

Curadora destaca pertinência da Exposição "Escravo XXI"

Luanda - A exposição sobre arte contemporânea "Escravo XXI", patente desde sábado (17) na galeria "Ar-ma", distrito urbano da Maianga, em Luanda, reveste-se de extrema pertinência por focar-se na relação humana com as novas tecnologias considerou hoje, sexta-feira, na capital do país, a curadora angolana L Matos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Exposição colectiva "Escravo XXI" dos artistas plásticos Sérgio, Pemba e Kissolokele

Foto: Foto Cedida

Em declarações à Angop, a propósito da exposição, L Matos destacou que a amostra é pertinente por abordar a conectividade e a comunicação, num imaginário que pode ser considerado inédito no contexto angolano.

De acordo com a também artista plástica, as obras em causa debruçam-se sobre novas formas de escravidão, feita com base no discurso visual, propondo reflexões em torno da liberdade e a condição humana actual, através da tecnologia e recurso a telas, símbolos, aplicativos das redes sociais, correntes, auscultadores, corpos e rostos humanos.

“Estamos no tempo das sociedades mediáticas, das fibras, megabytes,  gigabytes, das televisão por cabo, das velocidades supersónicas, das notícias em tempo real e da informação. Vivemos na era em que as sociedades  passaram a ser dominadas, não por aquilo que são ou pelos seus feitos, mas sim, a partir dos instrumentos que utilizam a tecnologia”, expressou.

Em “Escravo XXI”, sublinha a curadora da referida exposição, o artista Kissolokele, em particular, conecta o surgimento das redes sociais, especialmente o Facebook e o aplicativo Whatsapp, com a invenção da roda.

“Com isso, pode-se pensar que estamos diante de actos susceptíveis de salvar a humanidade. Mas a sua figuração protagonizada por homens com cabeças de rodas, expressa a desumanização dos tempos actuais”.

A amostra contempla 17 peças, entre quadros e instalações, dos pintores e gravuristas Sérgio, Pemba e Kissolokele, afectos ao atelier Mawete, e ficará à disposição do público até à segunda semana de Dezembro, deste ano.

Assuntos Artes Plásticas  

Leia também