Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

11 Fevereiro de 2019 | 13h22 - Actualizado em 11 Fevereiro de 2019 | 13h22

Jovens do Prenda no Centro Cultural Kilamba para Muzongue da Saudade

Luanda - O agrupamento Os Jovens do Prenda sobe, dia 24, ao palco do Centro Cultural e Recreativo Kilamba, em Luanda, para a abertura do programa anual Muzongue da Tradição.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Agrupamento Jovens do Prenda (arquivo)

Foto: angop

Denominado Muzongue da Saudade, o programa, o primeiro do ano, vai contar ainda com Augusto Chacaia, Dom Caetano, Didi da Mãe Preta, Tony do Fumo Filho.

Para recordar o Trio da Saudade, a casa contará com os préstimos da Banba Movimento para o acompanhamento de Legalize.

O evento terá como convidado especial  o músico Kyako Kyadaff.

O gestor do espaço, Estêvão Costa, que avançou a informação nesta segunda-feira à Angop, adiantou que se trata de um programa dedicado inteiramente a divulgação e promoção da música angolana feita nas décadas de 60 e 70, dando, desta forma, uma oportunidade ao público de reviver e viver o que de melhor se produziu nas épocas em causa.

Estêvão Costa adiantou que a intenção colocar ao dispor dos usuários do espaço momentos especiais ao som do que melhor se produziu, musicalmente, no país, entre os anos 70, 80 e 90.

“Como já é apanágio da casa, vamos dar o melhor. Temos um compromisso para com o público e para com a música angolana e neste particular o Centro Cultural e Recreativo  Kilamba procura sempre dar o melhor ao seu público”, reforçou a fonte.

Detentor de um rico cardápio musical, onde se destacam temas como  “tendinha”, “seguida de “desepero”, “Chiquita”, “nguenda nyubeka” e “longa marcha”,   "majame", "samba samba", "nova cooperação"  entre outras que tem provocado ” um alvoroço entre as pessoas nos palcos por onde actua, o agrupamento, que já vai na sua quarta geração, continua fiel a sua linha rítmica e melódica para a satisfação da enorme legião de fãs espalhados pelo país.

Apesar da idade, o agrupamento, que mostra-se  com uma jovialidade, cada vez mais um acérrimo defensor dos ritmos nacionais, deixando, em todos os momentos que sobem em palcos o cheiro da essência da música angolana de raiz, fundido no ritmo e no estilo de dança semba.

O agrupamento tem como característica peculiar o seu andamento rítmico. Os Jovens do Prenda têm uma sonoridade exclusiva, obtida pela fusão de ritmos locais com forte influência de um importante músico que fez história na música popular do Congo Democrático, o guitarrista Dr. Nicó. Tendo passado pelo grupo grandes guitarristas que acentuaram o seu sou, como Mingo, Alfredo Henrique, Diogo Sebastião e Quintino.

Surgimento

Os Jovens do Prenda surgem em 1968 com a designação Jovens do Catambor, passando ainda nesse mesmo ano a chamarem-se Jovens da Maianga e, finalmente em 1969, passam a ter a designação actual.

O nome surge a conselho de Manguxi, um empresário do Sambizanga que era proprietário do Salão Braguês e alugava aparelhagens, que sugeriu que o grupo tivesse a denominação do bairro de onde são provenientes”, dai o nome Os Jovens do Prenda, já que o grupo era originário deste histórico de bairro Luanda.

A formação de Os Jovens do Catambor já possuía um leque impressionante de músicos onde se destacavam nomes como Manuelito Maventa, (viola solo), Zeca Kaquarta, (tambor), Napoleão, (puita) e Juca, (dikanza). José Keno, o guitarrista emblemático dos Jovens do Prenda, entrou para o grupo, vindo dos Sembas, com a sua entrada, fica completa, em 1969, a primeira formação de Os Jovens do Prenda, com José Keno (viola solo), Zé Gama (baixo), Luís Neto (voz), Kangongo (tambor baixo) e Chico Montenegro (tambor solo).

O grupo tem sofrido, muitas cisões e abandonos, levando a que Luís Neto, um dos elementos do grupo, afirmasse: “As pessoas nascem e crescem e cada um vai para onde mais lhe agrada. Os Jovens do Prenda não são só música, é uma verdadeira escola…”

Renascimento

Após um período de ausência (1974 a 1981), os Jovens do Prenda voltam a aparecer no panorama musical angolano, gravando o seu primeiro álbum "Música de Angola, Jovens do Prenda", posteriormente reeditado como "Mutidi". Nele participaram Zé Keno (viola solo e voz), Alfredo Henrique (viola ritmo), Carlos Timóteo (baixo), Avelino Mambo (bateria), Zecax (voz), Massy (saxafone), Fausto (trompete), Verrynácio (tumbas), Chico Montenegro (bongós e voz), Luís Neto (Dikanza) e Gaby Monteiro (percussão e voz).

O segundo álbum "Samba-Samba" é lançado em 1992, levando posteriormente à saída de um dos seus músicos mais emblemáticos, Gaby Monteiro, passando o grupo a ter na formação Manuel Prudente Ramos Neto "Joca", (viola solo), Carlos Timóteo "Calily", (baixo), Zé Luís (viola ritmo), Charles Mbuia (contra solo), Manuel Vicente (tumbas), Patrício Smoke (bateria), Luís Neto e Chico Montenegro (vozes), Conceição Alves Alberto (trompete) e Luís Massy (saxofone).

O grupo sofreu posteriormente imensas remodelações, mas tem-se sempre mantido activo até à actualidade, tendo lançado recentemente um novo álbum.

Discografia

Vários Singles na década de 1970. Mutidi, (1982, IEFE, Discos, Intercontinental Fonográfica, Lda)

Samba-Samba, (1992, Endipu-UEE, Empresa Nacional do Disco e Publicações)

Kudicola Kwetu, (2003)

Iweza, (2010)

O Muzongue da Tradição é um programa que teve o seu início em Fevereiro de 2007 e visa a promoção, divulgação e valorização da música angolana produzida nos anos 60, 70 e 80. O agrupamento Jovens do Prenda e os artistas Zecax, Dom Caetano e Proletário, foram os primeiros convidados.

Assuntos Angola  

Leia também
  • 12/02/2019 09:00:51

    Angola aborda projecto Rota dos Escravos na UA

    Addis Abeba (Dos enviados especiais) - A ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, abordou, na segunda-feira, em Addis Abeba, o projecto de investigação sobre a rota dos escravos no Corredor do Kwanza, cujo valor histórico e cultural excepcional poderá lhe conceder o privilégio de ser classificado como património mundial.

  • 09/02/2019 15:42:17

    Ministério da Cultura denuncia informações falsas sobre Bienal de Veneza

    Luanda - O Ministério da Cultura (Mincult) considerou, neste sábado, em Luanda, falsas e sem fundamento, as afirmações relativas a falta de reembolso de apoios inicialmente concedidos à participação do país, este ano, na 58.ª edição Bienal de Veneza.

  • 09/02/2019 01:57:01

    Resenha Cultural: Promoção da Bienal de Luanda na cimeira da UA marca semana

    Luanda - A promoção da primeira edição da Bienal de Paz de Luanda - Fórum Pan-Africano da Cultura da Paz em África acontece de 18 a 22 de Setembro deste ano, com a participação de 12 países, na cimeira da União Africana (UA), Addis Abeba (Etiópia), marcou a semana cultural que hoje, sábado, termina.