Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

23 Abril de 2019 | 19h30 - Actualizado em 23 Abril de 2019 | 19h30

Escritor critica modelo de "mediatização" da nova vaga

Benguela - O escritor angolano Gociante Patissa criticou, nesta terça-feira, na cidade de Benguela, o modelo de "mediatização" empreendido por alguns jovens que querem entrar no mundo literário, sem ter em conta que o ofício exige prática constante, auto-superação e amadurecimento.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Benguela: Escritor angolano, Gociante Patissa

Foto: Carlos Morony

Gociante Patissa, que falava à Angop, a propósito do Dia Mundial do Livro que hoje (23 de Abril) se assinala, afirmou que, ao invés de olharem para o trabalho de escrita como um ofício que exige profissionalismo, alguns jovens quando pensam em escrever sonham apenas com a mediatização, descurando o conteúdo das suas obras.

“Desta forma o novo escritor não estará interessado no crescimento profissional, mas sim na produção de um dado livro, o que não é profissionalmente salutar”, disse, frisando que se deve olhar para escrita como um trabalho mais sério, rigoroso, mais abrangente do que o simples lançamento e comemoração da obra, pois carece de seriedade e profissionalismo.

O escritor opinou que, apesar da actual conjuntura menos boa, está esperançado, aliás a província de Benguela faz parte do todo nacional que tem uma especificidade própria, fruto da realidade económica que Angola vive.

Apesar disso, indicou que a província de Benguela tem visibilidade própria que lhe coloca logo a seguir a província de Luanda, em termos de movimento literário, bastando olhar para o “frenesim” que se regista na região em termos de venda de livros, principalmente nos finais de semana prolongados.

Por outro lado, acrescentou, Benguela já teve uma editora, a “UKP” (falida) e, hoje, a Acácia, uma editora de Luanda, escolheu Benguela como sua segunda praça, o que tem estado a minimizar a situação, principalmente para obras dos mais velhos já consagrados, apesar dos custos.

Em relação aos mais novos escritores, reconheceu haver localmente pelo menos dez jovens com um futuro promissor, porque apresentam uma veia literária muito profunda.

“Há uns tantos por aí, que com um pouco mais de trabalho e acompanhamento vão enriquecer o mosaico literário da província, de certeza absoluta”, vaticinou o escritor já consagrado e com obras no mercado nacional e internacional.

Insistiu na necessidade de maior organização no sector literário. “Por aqui, o autor escreve, arranja dinheiro, uma editora e ele mesmo promove e distribui a sua obra para ser comercializada, um modelo que não funciona em qualquer parte do mundo”, frisou.

Segundo Gociante Patissa, pretende-se que Benguela beneficie de políticas de Estado que incentivem a produção literária e a redução do custo do livro, de modo a torná-lo mais atraente.

Sobre os direitos de autor, afirmou que funcionam apenas do ponto de vista de legislação, mas que a sua implementação prática não se verifica.

Lembrou a sua participação no projecto dos “11 Clássicos”, uma iniciativa dos órgãos de apoio do gabinete do então Presidente da República, José Eduardo dos Santos, do qual havia recebido uma soma de Akz 250.000,00 e nada mais se lembra dos benefícios de qualquer direito autoral.

A propósito, disse que em Angola não sabe se é possível um escritor viver da venda das suas obras.

O autor Daniel Gociante Patissa nasceu na comuna do Monte-Belo, município do Bocoio, província de Benguela, em Dezembro de 1978. Tem licenciatura em Linguística, especialidade de Inglês, pelo Instituto Superior de Ciências da Educação da Universidade Katyavala Bwila (ex-Agostinho Neto).

É membro efectivo da União dos Escritores Angolanos. Foi o laureado do Prémio Provincial de Benguela de Cultura e Artes 2012, na categoria de Investigação em Ciências Sociais e Humanas “pelo seu contributo na divulgação da língua local umbundu, na perspectiva das tradições orais, através do conto e novas tecnologias de informação e comunicação”.

Já editou publicou seis livros, dos quais, Consulado do Vazio (poesia), A Última Ouvinte (contos), Não Tem Pernas o Tempo (novela), Guardanapo de Papel (poesia), e Fátussengóla, O Homem do Rádio que Espalhava Dúvidas (contos) e O Homem que Plantava Aves (contos).

O Dia Mundial do Livro e do Direito de Autor (também chamado de Dia Mundial do Livro) é comemorado todos os anos no dia 23 de Abril, desde 1996, numa iniciativa da UNESCO para promover o hábito da leitura, a publicação de livros e a protecção dos direitos autorais.

A data foi escolhida porque a 23 de Abril de 1616 morreram Miguel de Cervantes, William Shakespeare e Garcilaso de la Vega. Para além disto, nesta data, em outros anos, também nasceram ou morreram outros escritores importantes como Maurice Druon, Vladimir Nabokov, Josep Pla e Manuel Mejía Vallejo.

Leia também