Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

23 Maio de 2019 | 11h52 - Actualizado em 23 Maio de 2019 | 20h25

Portugal: Angola sai do festival do cinema com dois troféus

Lisboa (Do enviado especial) - Os filmes angolano "O mambo" e "Inicio do Fim" foram premiados, na noite de quarta-feira, no Festival Itinerante do Cinema de Língua Portuguesa, que decorreu de 15 a 22 de Maio em Lisboa (Portugal), nas categorias de Curta e Longa-metragem, respectivamente.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Apresentadores do evento no Festival Itinerante do Cinema de Língua Portuguesa

Foto: Cortesia de Guilherme Perez/FESTin

Realizador Nuno Barreto, premiado no Festival Itinerante do Cinema de Língua Portuguesa

Foto: Cortesia de Guilherme Perez/FESTin

“O mambo”, realizado por Nuno Barreto, ficou com o troféu de melhor curta-metragem no voto popular.

O filme, de acção, comédia, conta uma insana história de voltas e contravoltas, perseguições e revelações andando atrás de uma mala, única, especial e mágica cujo conteúdo desperta a cobiça, avidez e inveja de quem a detém e de quem a persegue. O Mambo representa tudo aquilo que desperta em cada um de nós a curiosidade de algo e a vontade desmesurada de ter.

Na ocasião, o realizador dedicou o prémio aos artistas angolanos, os da Huíla em particular.

“Para mim é algo inesperado, aproveito para dedicar este troféu aos “guerreiros” do teatro na Huíla, que mesmo sem apoio continuam a elevar a arte na província”, frisou.

Por sua vez, o filme “Inicio do Fim”, que retrata a história política de Angola depois das eleições de 1992, com destaque para o papel dos jornalistas, foi agraciado com uma menção honrosa.

Entre curtas e longas-metragens foram exibidos 45 filmes todos em português, com abordagens diferenciadas. O Brasil, que há alguns anos conta com uma produção excepcional em termos de quantidade e qualidade, participou com seis obras, tendo vencido em cinco.

Na mostra competitiva e dentro da vastidão da produção actual, os mais variados formatos estéticos e temáticos surgiram em filmes como “Aos Teus Olhos”, obra de Carolina Jabor escolhida para a abrir o festival e que aborda de forma electrizante um tema crucial: o linchamento público através das suspeitas, de assédio sexual, neste caso, espalhadas através de aplicativos e redes sociais.

Em “Ferrugem” estas surgem utilizadas pelos adolescentes e o drama de Aly Muritiba, que relata uma tragédia causada por esse uso. Dramas mais intimistas surgiram em “Unicórnio”, “Boni Bonita”, “Todas as Canções de Amor” e “O Olho e a Faca”, todas obras marcadas pela maturidade técnica e pelo afastamento dos mecanismos narrativos mais convencionais.

Outros vencedores foram:

O Pequeno escritor (Voto popular/documentário)

Lusófona (Melhor documentário)

Ferrugem (Melhor curta-metragem)

Unicórnio (Melhor longa-metragem)

Daniel Oliveira (Melhor actor)

Tifanny Dopke (Melhor actriz)

Aly Muritiba (Melhor realizador)

Todas as canções de amor (Melhor filme)

Assuntos Angola  

Leia também
  • 23/05/2019 18:47:24

    Itália:Docente enaltece curso de cultura angolana

    Roma - O quinto curso de Cultura Angolana promovido pela Cátedra Agostinho Neto da Universidade pública italiana “Roma Tre” foi considerado, nesta quinta-feira, um sucesso pelo seu coordenador, Giorgio de Marchis.

  • 23/05/2019 18:02:47

    Carnaval incentiva a unidade e a coesão- ministra Carolina Cerqueira

    Luanda - A ministra da Cultura, Carolina Cerqueira, destacou, nesta quinta-feira, em Luanda, o Carnaval como uma criação cultural colectiva que expressa a angolanidade, uma festa que emana da unidade nacional, incentiva e encoraja a coesão e a integração social.

  • 18/05/2019 23:08:53

    Portugal: Angolana inaugura exposição em Lisboa

    Lisboa (Da correspondente) - A exposição "Restos, Retalhos, Atalhos Poéticos" da artista plástica angolana Isabel Ferreira, inserida nas comemorações do 25 de Maio, Dia de África, foi inaugurada hoje, sábado, em Lisboa.