Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Lazer e Cultura

16 Setembro de 2019 | 15h03 - Actualizado em 16 Setembro de 2019 | 15h03

Escritor sugere mecanismos para abertura de livrarias

Luanda - O escritor angolano João da Silva Cardoso sugeriu hoje ( segunda-feira) em Luanda, a criação de mecanismos que possibilitem a abertura de mais livrarias.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Alfarrabista (Arquivo)

Foto: Angop

Em entrevista à Angop, a propósito do encerramento de algumas livrarias em Luanda, João da Silva Cardoso apontou como exemplo a redução do custo de importação dos livros ou a abertura de mais gráficas para produção deste material em Angola como uma das formas de incentivar a abertura de novas lojas para o comércio de livros.  

De acordo com o escritor, o ressurgimento das livrarias em Luanda serviria para resgatar os hábitos de leitura e multiplicar o número de leitores que se perdeu ao longo dos anos .

É de opinião que com o desaparecimento destas casas para aquisição de livros, perde-se a oportunidade de educar a sociedade por meio de várias obras e o surgimento, em massa, de  novos intelectuais .

Escritor reconheceu que as livrarias foram importantes para o surgimento de muitos escritores na década de 80 e 90, tendo a livraria Lello sido  fundamental para a expansão de leitores , bem como para o surgimento de uma classe de jovens intelectuais forte.

João da Silva Cardoso apontou a perda do hábito de leitura, o aumento das taxas de importação, a perda do poder financeiro , bem como o surgimento das plataformas online como os motivos do encerramento de muitas livrarias.

O autor informou que das casas existentes, muitas têm dificuldades de aderência devido ao preço que praticam , tendo o leitor, por vezes, como solução recorrer aos alfarrabista onde encontram alguns livros que procuram.         

O romancista falou da importância dos concursos literários nas escolas, nos bairros e das Feiras Municipais para que os jovens voltem a apostar na leitura, usando os livros físicos.

O interveniente lembrou que a nível mundial, com o surgimento das bibliotecas e as livrarias online, os livros físicos perderam muito o seu valor, mas referiu que esta realidade não se observa em Angola , onde o número de pessoas com acesso a internet ainda é reduzido.   

Enalteceu o surgimento das Mediatecas, mas acredita que para este projecto ser  rentável seja necessário a conclusão do processo, que prevê a construção destas instituições, no maior número possível, pelos municípios.      

João da Silva Cardoso nasceu na província de Malanje em 1972 , é licenciado em Literatura Africana pelo Faculdade de Letras da Universidade Agostinho Neto. Membro da UEA  tem dois romances publicados,  “ De corpo e Alma “ e “ Histórias da minha vida” e tem algumas publicações em revistas e jornais.    

Leia também
  • 13/09/2019 17:04:18

    Municipio de Icolo Bengo realiza Festcacusso

    Icolo e Bengo - O 1º Festival do Cacusso (Festcacusso), que tem como objectivo apresentar as potencialidades produtivas e gastronómicas do município de Icolo e Bengo, foi aberto hoje (sexta-feira) em Catete, município de Icolo e Bengo.

  • 13/09/2019 00:59:03

    Livro de poesia de Pitra Neto apresentado ao público

    Luanda - O livro de poesia intitulado "Raios, Ecos Neblinas ao Redor da Colina" da autoria do escritor angolano Pitra Neto, foi apresentado nesta quinta-feira, no memorial Agostinho Neto, em Luanda.

  • 12/09/2019 16:57:19

    Etona sugere redefinição das políticas culturais em Angola

    Luanda - O secretário-geral da União Nacional dos Artistas Plásticos (UNAP), António Tomás Ana "Etona", sugeriu a redefinição das políticas ligadas à cultura, de formas a permitir a criação de bases concretas que desenvolvam, valorizem e garantam maior dignidade aos fazedores de artes.