Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

19 Janeiro de 2002 | 18h03

-

Luanda

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

UNITA de Jonas Savimbi sempre violou acordos de paz

Foto: Foto/ Angop

Luanda, 19/01 - O chefe dos Serviços de Segurança da Unita, general Samuel Martinho Epalanga, reconheceu que JonasSavimbi e a sua organização têm violado sistematicamente todos os acordos assumidos com o governo angolano.Para si, o principal erro da Unita savimbista reside nasviolações constantes dos compromissos assumidos nas conversações com o governo."Se temos oportunidades de falar com o governo, dialogar enegociar estamos sempre a violar, então ali está o nosso erro e de Jonas Savimbi" - reconheceu o general capturado quando falava aoprograma "Hora certa" da Rádio Nacional de Angola.#

Disse que deve-se tentar convencer Jonas Savimbi a procuraroutra maneira de salvar o povo e "não agarrar-se a questão de que opoder vem do cano da arma" na opinião do general capturado, osrecursos empregues na compra de tanto material bélico para fazer aguerra contra o governo legitimamente eleito deveria ser investidona reconstrução de escolas, hospitais e sensibilização da população para os novos desafios.

Sobre os últimos pronunciamentos do representante da Unita naSuíça, João Vayikheny, o general Martinho Epalanga disse quereflectem o desconhecimento daquele quanto a real situação nointerior de Angola.

O representante da organização savimbista na Suíça tinha ditoque os altos oficiais da Unita capturados pelas Faa não passavam dereservistas. Porém, o general Epalanga desmentiu tal afirmação,assegurando que todos eles se encontravam no activo.

Exemplifica o caso do coronel "Kalado", oficial que Vayikhenyafirmara nunca ter pertencido aos Serviços de Segurança de Savimbi eque, no entanto, "todos aqueles que participaram na última conferência da organização, sabem que foram recebidos pelo referidocoronel e como oficial de Segurança de Savimbi".

"Quem não está no activo não recebe orientações para fazer otrabalho que eu realizava na região aonde fui capturado" - sustentouo general, para contrariar as afirmações do seu correligionário, asquais considera recados recebidos de Jonas Savimbi.

A seu ver, Vayikheny desconhece totalmente a realidade dosproblemas que a organização savimbista enfrenta no interior do país,porque, por motivos de saúde, aquele sempre trabalhou no exterior.

"O engenheiro Vayikheny sofre de uma patologia chamada asma quenão lhe permite apanhar humidade por uma semana e por esta razão foinomeado representante da Unita savimbista na Europa, mas concretamente na Suíça" - acrescentou.

Na sua óptica, a principal preocupação deveria consistir nosalvamento do povo de Angola, porque as pessoas que se pronunciam noexterior não têm noção do sofrimento da população do interior dopaís.

Caracterizando a aceitação da Unita, o considerado "homem terror" da organização de Jonas Savimbi referiu que mesmo nas áreas onde se encontram os savimbistas, particularmente na área deLinguevungo, Moxico, os civis já não lhes aceitam receber e dizem: "quando as coisas estão boas vocês fogem e na aflição vêem atrás donosso massango".

Segundo este alto oficial de Jonas Savimbi, vários quadros da Unita ainda nas matas estão numa situação física crítica, citando como exemplo o caso do general "Kulunga" que nos primeiros dias de Dezembro nem sequer conseguia meter-se em pé.