Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

05 Fevereiro de 2006 | 12h34

Dados biográficos de Osvaldo Serra Van-Dúnem

Luanda

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O ministro Osvaldo de Jesus de Serra Van-Dúnem, que faleceu sábado na República Federativa do Brasil

Foto: Foto Angop

Luanda, 05/02 - O ministro do Interior de Angola, Osvaldo Serra Van-Dúnem, falecido sábado no Hospital Albert Einstein, na cidade de SãoPaulo, República Federativa do Brasil, nasceu aos 08 de Agosto de 1950, emLuanda, tendo-se licenciado em ciências Históricas e Militares.

Fez os estudos primários em Caculo (Kwanza-Sul) e secundários emLuanda e Luso (actual Luena). Em 1969 começou a trabalhar como funcionário de Fiananças na capital do país.

Em 1971 foi incorporado no serviço militar obrigatório no exército colonial,tendo prestado serviço na Huíla, Kwanza-Norte e Luanda.

Em 1973 participa activamente no trabalho político clandestino a favor do MPLA, em várias províncias do país. Em Julho de 1974 foi um dos organizadores e participantes da célebre marcha de protesto dos militares angolanos no exército português contra o poder colonial, que teve lugar emLuanda.

Em Fevereiro de 1975 foi feito prisioneiro pela FNLA, colocado nas célebres"casas do povo" e, com alguns poucos sobreviventes, sai em liberdade atravésda primeira troca de prisioneiros realizada em Luanda, com a mediação do Governo de transição.

O malogrado filiou-se no MPLA em Novembro de 1974, tendo desempenhadoa partir dessa data várias funções de responsabilidade ligadas a vida partidária.

No âmbito militar, pertenceu ao grupo fundador da escola Militar "Kimpuanza", como aluno militar em 1975, onde especializou-se no ramo da artilharia.

Em finais de 1975 participa na ofensiva da libertação do Norte do país.Regressado a escola Kinpuanza ocupou, sucessivamente, as funções deinstrutor militar a vários níveis.

Posteriormente foi comissário político e ocupou funções a nível de Companhia, de Batalhão de Instrução, de Comissário Político Adjunto e, em 1977, de Comissário Político, função máxima da referida escola.

Em Fevereiro de 1978 é nomeado para exercer a função de Comissário Políticoda Primeira Missão Internacionalista das forças internacionalistas em São Tomée Príncipe, onde permaneceu até Setembro desse mesmo ano.

Regressado ao país, é nomeado para Chefe do Departamento de Agitação ePropaganda da Direcção Política Nacional das FAPLA, função que exerceu atéAgosto de 1982.

De 1982 a 1986 frequentou o curso superior Político-Militar na AcademiaLénine, em Moscovo (ex-URSS). Nesse período foi responsável pelo colectivode estudantes militares angolanos. Regressado ao país é nomeado ComissárioPolítico do Regimento presidencial, em Luanda.

Em Agosto de 1988, no âmbito das conversações quadripartidas entãoiniciadas, que culminaram com os acordos de Nova Iorque, foi nomeado paraexercer, cumulativamente, as funções de Comandante do Destacamento militarintegrado na Comissão Mista Angola/Cuba/África do Sul (CMCC), sediada nafronteira sul, na localidade de Ruacaná.

Em 13 de Fevereiro de 1989, por decreto presidencial é nomeado ComissárioProvincial do Huambo, cargo que desempenhou até 1991.

Exerceu ainda a função de Chefe da Casa Militar do Presidente daRepública (1992-1995) e Embaixador no Brazil (1995-1999). Neste país foiagraciado com a medalha "comemorativa dos 300 anos da morte de Zumbi", e com a ordem internacional das Ciências, Artes, Letras e da Cultura.

O malogrado foi também condecorado com as medalhas de combatente daprimeira guerra de libertação nacional e das Forças Armadas Cubanas.

Antes de exercer as funções de Ministro do Interior, Serra Van-Dúnem exerceu o cargo de embaixador de Angola em Portugal (2000-2003).

Entretanto, o Goveno Angolano, numa mensagem de condolências, inclina-se perante a memória de seu ilustre membro, que prematuramente desapareceu doseu convívio deixando uma obra meritória e digna de realce sempre que foichamado a servir os interesses da nação.

A nota indica que o seu desaparecimento constitui, sem dúvida, uma perdairreparável. Na missiva o Governo apresenta à família enlutada as suas maisprofundas condolências.