Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

29 Dezembro de 2010 | 16h00 - Actualizado em 29 Dezembro de 2010 | 17h07

General Nunda garante melhores condições para os militares da guarnição de Luanda em 2011

Forças Armadas

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Chefe do Estado-Maior General das FAA, Geraldo Nunda

Foto: Angop

Luanda – O Chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas Angolanas (FAA), general Geraldo Sachipengo Nunda, garantiu hoje (quarta-feira), na capital do país, a melhoria das condições materiais e humanas dos militares do Comando da Guarnição Militar de Luanda, bem como a reabilitação e construção dos quartéis para as tropas, a nível nacional.


Geraldo Sachipengo Nunda falava aos jornalistas, no final de uma visita ao Comando da Guarnição Militar de Luanda, onde se inteirou das condições
em que vivem as tropas, realçando que a reconstrução e edificação dos quartéis faz parte de um projecto das FAA com início previsto para 2011.


Por outro lado, o Chefe do Estado-Maior General das FAA referiu que a visita serviu ainda para identificar os maiores desafios da região militar de
Luanda, bem como o controlo efectivo dos militares da corporação, lembrando que o mesmo será reforçado com a Lei do Serviço Militar, à luz
da Constituição da República.


Nesta vertente, salientou que a referida lei será analisada pelo Conselho Superior Militar e outros órgãos afins, dirigidos pelo ministro da Defesa
Nacional, e posteriormente remete-la à Assembleia Nacional, para a sua aprovação.
 

“A Lei do Serviço Militar, diz que o soldado deve ficar dois ou três anos a cumprir o serviço, mas, por causa da guerra, ainda temos militares nas FAA
e deficientes físicos que devem ser desmobilizados”, exemplificou o general.


Segundo o responsável, as acções inscritas serão realizadas de acordo com as possibilidades do país, tendo em conta que a desmobilização dos
deficientes e dos soldados exige um sistema de reinserção social adequado.


Durante a visita, Geraldo Sachipengo Nunda foi acompanhado pelo comandante da região militar de Luanda, general Joaquim Lopes Farrusco.