Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

26 Dezembro de 2011 | 16h26 - Actualizado em 26 Dezembro de 2011 | 17h19

Pacificação de Cabinda é um dos objectivos de 2012 do Estado Maior General das FAA

Perspectivas

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Chefe do Estado Maior General das FAA, general Geraldo Sachipengo Nunda

Foto: Angop

Luanda – O chefe do Estado Maior General das FAA, general Geraldo Sachipengo Nunda, anunciou hoje, segunda-feira, em Luanda que um dos objectivos determinados pelo Comandante-em-Chefe, José Eduardo dos Santos, para 2012 é a pacificação da província de Cabinda.

Segundo o general Geraldo Sachipengo Nunda, que declarou tal facto durante a cerimonia de cumprimentos de fim de ano, consta ainda do propósito melhorar as condições de vida e de trabalho dos militares, nos quartéis, hospitais, nos centros de instrução, nas escolas militares e unidades prisionais.

Garantir a estabilidade total do país, disse, para que as eleições de 2012 decorram em clima de absoluta tranquilidade, cumprir cabalmente a missão de cooperação com a República da Guiné Bissau e implementar a directiva do Presidente da República e Comandante-em-Chefe, José Eduardo dos Santos, também constam dos propósitos traçados para o ano que se avizinha.

A seu ver, para que os mesmos possam ser realizados é necessário que os chefes dominem os acontecimentos que imprimam velocidade ao processo de reedificação e que aceitem assumir as suas decisões.

Para si, a elevação de um homem acima dos outros só se justifica se ele trouxer à tarefa comum a garantia do carácter e da integridade.

“Para ter o privilégio de comandar, o direito de ordenar, o orgulho de ser obedecido, de receber as deferências, as homenagens e as facilidades que rodeiam o poder de mando, o chefe tem de pagá-los com trabalho honesto e abnegado e com o risco que se corre da missão”, acrescentou.