Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

28 Setembro de 2016 | 16h33 - Actualizado em 29 Setembro de 2016 | 08h32

Marinha de Guerra Angolana vai formar efectivos na Escola Nacional de Bombeiros

Luanda - A Marinha de Guerra Angolana vai enviar os seus efectivos na especialidade de extinção de incêndios para que sejam formados na Escola Nacional de Protecção Civil e Bombeiros, disse hoje, quarta-feira, o Chefe de Direcção da Defesa Química da Marinha de Guerra Angolana, Luís Martins Bica.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Navio da marinha de guerra (ilustração)

Foto: Pedro Parente

A declaração foi feita à imprensa no fim de uma visita de trabalho que os membros da Direcção de Protecção Nuclear, Biológica e Química da Marinha de Guerra Angolana realizaram na Escola Nacional de Bombeiros.

O oficial reconheceu que os marinheiros necessitam da formação sobre as técnicas de extinção de incêndios, por isso em breve serão incluídos efectivos da Marinha na escola de bombeiros.

Luis Martins Bica disse que a visita teve também como objectivo o intercâmbio e cooperação entre os órgãos do Ministério do Interior e da Marinha de Guerra Angolana.

Ficou impressionado com o que viu no terreno e sublinhou que trocaram impressões para materializar os objectivos da visita à Escola dos bombeiros com a convicção que os dois órgãos vão cooperar para poder engrandecer as Forças Armadas Angolanas.

O porta-voz dos Serviços de Protecção Civil e Bombeiros em Luanda, Faustino Minguês, disse que a visita dos membros da Marinha de Guerra serviu para discutir a forma de integração dos seus homens na escola de bombeiros.

O Serviço de Protecção Civil e Bombeiros, dada as suas especificidades, deve estar a par e passo com os outros órgãos que integram a Comissão Nacional de Protecção Civil, realçou.

A Direcção ligada a área de matérias químicas veio constactar os métodos de trabalho e aproveitar a componente de formação para poder por em prática as técnicas, quer de prevenção e eventual intervenção, em caso de surgimento de alguma adiversidade nas suas unidades, referiu.

Um Instituto médio de Protecção Civil e Bombeiros está a ser construído na Província de Benguela, na Baía Farta, informou Faustino Minguês, ao acrescentar que o ano lectivo 2017 poderá arrancar com 14 cursos previstos em termos de formação média.

Na visita foram apresentadas unidades técnicas de matérias perigosas, demonstração de emergência de matérias perigosas e operações que envolvam matérias perigosas.

Leia também