Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

27 Novembro de 2017 | 17h25 - Actualizado em 27 Novembro de 2017 | 17h24

Petrolíferas Sonangol e ENI rubricam acordos

Luanda - As empresas petrolíferas angolana (Sonangol) e italiana (ENI) rubricaram nesta segunda-feira dois acordos de cooperação, entre os quais um de exploração de um bloco onshore (em terra) em Cabinda.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Formalização do acordo entre as petrolíferas Sonangol e ENI

Foto: Francisco Miudo

CARLOS SATURNINO, PCA DA SONANGOL

Foto: Francisco Miu

Na presença do Chefe de Estado angolano, João Lourenço, e do primeiro-ministro da Itália, Paolo Gentiloni, os instrumentos jurídicos foram assinados pelo presidente do Conselho da Administração da Sonangol, Carlos Saturnino, e pelo administrador delegado da petrolífera italiana, Claudio Descalzi.

De acordo como o gestor da Sonangol, o acordo está ligado à transferência de operações do bloco em terra designado Cabinda Norte.

Explica que este bloco, operado há alguns anos, tem um potencial que deve ser relançado, a par de actividades sociais como a construção e o apetrechamento de uma escola no município de Cacongo, em Cabinda.

Os acordos contemplam a formação de pessoal angolano para a área de refinação e exploração de gás natural para o desenvolvimento socioeconómico da região.

Adianta que o intercâmbio se estenderá para a refinaria do Lobito, exploração de petróleo bruto e gás em áreas existentes e em novas.

Carlos Saturnino acredita que deverão ser realizados investimentos importantes na refinaria de Luanda.  

O líder da Sonangol disse, ainda sobre o acordo, que se trata de um memorando que dará lugar a ajustes específicos, considerando prematuros determinar o valor a investir.

Valorizou o potencial da ENI, por se tratar de um investidor importante e de uma companhia que detém a maior parte das descobertas de petróleo no mundo, quando Angola não lança nenhum bloco para exploração desde Dezembro de 2011.

Assuntos Angola   Cooperação   Política  

Leia também