Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

21 Abril de 2017 | 12h37 - Actualizado em 21 Abril de 2017 | 12h37

Angola: MPLA quer controlo da inflação

Luanda - O Presidente do MPLA, José Eduardo dos Santos, afirmou nesta sexta-feira, em Luanda, que na actual situação económica e financeira do país se tem dado particular atenção ao controlo da inflação e a estabilização das reservas internacionais líquidas.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Estas medidas, acrescentou, estão aliadas a aceleração do processo de redução da dependência externa na aquisição dos bens essenciais, entre outras que conduzam à diversificação das receitas fiscais.

José Eduardo dos Santos, que discursava na abertura da 1ª sessão extraordinária do Comité Central deste partido, referiu que, neste momento, existem duas razões para confiar numa trajectória descendente da inflação que já se situa próximo de valores satisfatórios, numa variação mensal dos preços não superior a 1,5 porcento.

Acrescentou que a canalização meticulosa dos recursos cambiais para a importação de bens de primeira necessidade e dos insumos necessários para a produção de outros tem permitido uma redução sensível dos preços de bens da cesta básica.

De acordo com José Eduardo dos Santos, foram definidas medidas concretas para estimular o fomento da produção nacional, com vista a reduzir paulatinamente as importações dos bens que podem ser produzidos internamente e a sua diversificação, bem como as exportações.  

Realçou que o quadro actual, de predominância de bens importados, impede de momento a adopção de medidas cambiais e monetárias clássicas como uma desvalorização da moeda nacional para protecção das reservas nacionais e uma subida das taxas de juro para suster a inflação que de aí pudesse advir.

Explicou que o efeito combinado dessas medidas iria desacelerar o investimento privado e indispensável à diversificação sustentável da economia nacional.

Assuntos Angola  

Leia também