Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

13 Junho de 2017 | 18h21 - Actualizado em 16 Junho de 2017 | 13h40

Angola: FNLA advoga modelo de governação baseado em Conselho de Estado

Luanda - A FNLA pretende estabelecer em Angola, em caso de vitória nas eleições de 23 de Agosto, um modelo de governação baseado em Conselho de Estado, dividido em Câmara Alta e Câmara Baixa, informou hoje à Angop, em Luanda, o seu secretário para informação e mobilização, Geoveth de Sousa.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Secretário da FNLA para informação e mobilização, Geovety de Sousa

Foto: Pedro Parente

Geoveth de Sousa,  que falava a propósito das próximas eleições gerais no país, explicou que na Câmara Alta seriam debatidas acções profundas ligadas à nação, enquanto na Câmara  Baixa tratar-se-ia de debates políticos do Estado e dos partidos políticos.

Quanto ao modelo de Estado Unitário do país, o porta-voz da FNLA considera que o actual figurino deve manter-se,  na medida em que permite ao partido governante combater todo tipo de segregação ou de separação.

“O Estado Unitário é o ideal para a actual realidade politica de Angola, porque permite congregar todos os angolanos, independentemente da ideologia política de cada cidadão”, disse o político.

Relativamente ao sistema eleitoral, Geoveth de Sousa disse que a FNLA defende um modelo de eleições separadas, ou seja, uma eleição para as presidenciais e outra para as legislativas, ao contrário do actual, incorporado numa única votação.

Para Geoveth de Sousa, a separação do sistema de eleições - presidenciais e legislativas - ajudaria a reduzir a ideia de que tudo na vida gira em torno do presidente da República como Chefe de Estado, mas havendo a separação teria-se  um governo dirigido por um  Primeiro-ministro.

No capítulo da segurança interna, a reforma passaria pela implementação de um processo de capacitação das forças de segurança e defesa, com vista a proporcionar maior capacidade de resposta a eventuais situações anómalas.  

Na área da justiça, as reformas passariam essencialmente pela garantia da independência dos magistrados, construção de infra-estruturas afins, bem como distribuir juízes ou magistrados nas zonas mais recônditas do território nacional para, pontualmente, analisarem e julgarem os casos que ocorrem nessas localidades com maior celeridade.

A influência política da FNLA no país tem estado a decair desde 1992, altura em que Angola realizou as primeiras eleições multipartidárias. Desde a morte do seu fundador, Álvaro Holden Roberto, em 2007, o partido tem perdido peso político devido a constantes mudanças de liderança.

Assuntos Eleições  

Leia também
  • 29/12/2017 18:13:53

    Bié: Comissão Provincial Eleitoral vai apostar na formação de quadros em 2018

    Cuito - A CPE (Comissão Provincial Eleitoral) na província do Bié, vai continuar com as acções que visam a formação de quadros no ano de 2018, para acompanhar as dinâmicos e evolução tecnológica do mundo, sobre processos eleitorais.

  • 05/12/2017 20:21:02

    Bastonário quer melhoria da qualidade da advocacia

    Luanda - O bastonário eleito da Ordem dos Advogados de Angola (OAA), Luís Paulo Monteiro Marques, defendeu nesta terça-feira, em Luanda, a implementação de políticas que visem a melhoria da qualidade da advocacia, da defesa das suas prorrogativas e da sua condição social.

  • 05/12/2017 19:16:09

    Eleito bastonário da Ordem dos Advogados de Angola

    Luanda - Luís Paulo Monteiro Marques foi eleito bastonário da Ordem dos Advogados de Angola (OAA), para o triénio 2018/2020.

  • 14/10/2017 19:01:36

    Assembleia-geral da ONU elege novos membros do CDH

    Luanda - Angola é um de 16 países que concorrem para um lugar para o Conselho de Direitos Humanos (CDH) das Nações Unidas para o período 2018-2020, cujas eleições se realizam nesta segunda-feira, em Nova Iorque, pela Assembleia-geral das Nações Unidas.