Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

05 Fevereiro de 2018 | 08h59 - Actualizado em 05 Fevereiro de 2018 | 08h58

Lesotho: União Africana avalia missão da SADC

Maseru - Uma delegação da União Africana inicia hoje uma visita de trabalho ao Lesotho destinada a avaliar os progressos até agora alcançados pela missão de prevenção da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) para o Reino do Lesotho (SAPMIL), lancada em novembro de 2017.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Durante a sua estada no reino do Lesotho, a delegação de cinco membros, incluindo um do Secretariado da SADC, em representação do secretário executivo da organização regional, vai visitar os locais de destacamento das forças da SAPMIL.

A comitiva da União Africana vai também manter encontros com os chefes das componentes militar, civil, policial e de inteligência, que integram a SAPMIL (composto por 269 efectivos, 217 dos quais militares).

A agenda inclui ainda encontros, à porta fechada, com membros do governo do Lesotho, com chefes de defesa e segurança do país, represtantantes de partidos políticos da oposicao, do Conselho das Igrejas Cristãs, de organizações da sociedade civil e a media local.

A visita da delegação da UA surge na sequência da 748ª sessão do Conselho de Paz e Segurança da organização continental que teve lugar recentemente em Adis Abeba, Etiópia.

Na ocasiao, o director do orgão da SADC para Política e Segurança, o angolano Jorge Cardoso, disse que o orçamento da Missão de Prevenção da SADC para o Reino do Lesotho (SAPMIL), liderada por Angola, registava um défice de um milhão, 613 mil e 928 dólares norte-americanos, e apelou aos países membros da organização continental, da comunidade regional e parceiros no sentido de “mobilizarem urgentemente os fundos para a Missão levar a cabo o seu mandato” de seis meses.

Jorge Cardoso realçou que a SADC necessitava também de apoio técnico da UA, para a Missão obter “resultados tangíveis, paz duradoura e segurança no Lesotho.”

O Reino do Lesotho enfrenta uma situação político-militar delicada que requer a solidariedade institucional e apoio dos estados da organização. É nesta perspectiva que Angola, na qualidade de presidente do órgão de Concertação Política, Defesa e Segurança da SADC, integra a missão de paz que visa estabelecer a estabilidade política e a segurança naquele país.

Angola detém a presidência rotativa do Órgão de Política, Defesa e Segurança da SADC, estando, por isso, à frente da Missão de Prevenção da organização regional para o Reino do Lesotho (SAPMIL).

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 05/11/2018 20:13:47

    Manuel Augusto prepara visita do Chefe de Estado a Moçambique

    Luanda - O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, trabalhou durante três dias em Moçambique para, entre outros, reforçar os laços de cooperação nos vários domínios e preparar a visita de Estado do Presidente da República, João Lourenço.

  • 05/11/2018 19:02:50

    Embaixador Rui Orlando Xavier apresenta cartas figuradas

    Luanda - O embaixador Extraordinário e Plenipotenciário da República de Angola, Rui Orlando Xavier, entregou nesta segunda-feira, em Tóquio, no Japão, as Cartas Figuradas ao vice-ministro dos Negócios Estrangeiros daquele país, Takeo Akiba.

  • 02/11/2018 17:58:03

    Angolano integra comité da ONU para questões orçamentais

    Nova Iorque - A Assembleia Geral das Nações Unidas elegeu, esta sexta-feira, em Nova Iorque, o diplomata angolano Makiese Kinkela Augusto para integrar o Comité Consultivo para as Questões Administrativas e Orçamentais (CCQAB ou ACABQ) para o período 2019-2021.

  • 26/10/2018 22:01:20

    Empresários belgas querem diamantes angolano - Chikoty

    Bruxelas (Dos enviados especiais) - Empresários belgas têm manifestado interesse na compra do diamante angolano, facto que obriga o país a investir no aumento da produção desse mineral, afirmou nesta sexta-feira em Bruxelas o embaixador de Angola nesse pais europeu, Georges Chikoty.