Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

05 Fevereiro de 2018 | 08h59 - Actualizado em 05 Fevereiro de 2018 | 08h58

Lesotho: União Africana avalia missão da SADC

Maseru - Uma delegação da União Africana inicia hoje uma visita de trabalho ao Lesotho destinada a avaliar os progressos até agora alcançados pela missão de prevenção da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) para o Reino do Lesotho (SAPMIL), lancada em novembro de 2017.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Durante a sua estada no reino do Lesotho, a delegação de cinco membros, incluindo um do Secretariado da SADC, em representação do secretário executivo da organização regional, vai visitar os locais de destacamento das forças da SAPMIL.

A comitiva da União Africana vai também manter encontros com os chefes das componentes militar, civil, policial e de inteligência, que integram a SAPMIL (composto por 269 efectivos, 217 dos quais militares).

A agenda inclui ainda encontros, à porta fechada, com membros do governo do Lesotho, com chefes de defesa e segurança do país, represtantantes de partidos políticos da oposicao, do Conselho das Igrejas Cristãs, de organizações da sociedade civil e a media local.

A visita da delegação da UA surge na sequência da 748ª sessão do Conselho de Paz e Segurança da organização continental que teve lugar recentemente em Adis Abeba, Etiópia.

Na ocasiao, o director do orgão da SADC para Política e Segurança, o angolano Jorge Cardoso, disse que o orçamento da Missão de Prevenção da SADC para o Reino do Lesotho (SAPMIL), liderada por Angola, registava um défice de um milhão, 613 mil e 928 dólares norte-americanos, e apelou aos países membros da organização continental, da comunidade regional e parceiros no sentido de “mobilizarem urgentemente os fundos para a Missão levar a cabo o seu mandato” de seis meses.

Jorge Cardoso realçou que a SADC necessitava também de apoio técnico da UA, para a Missão obter “resultados tangíveis, paz duradoura e segurança no Lesotho.”

O Reino do Lesotho enfrenta uma situação político-militar delicada que requer a solidariedade institucional e apoio dos estados da organização. É nesta perspectiva que Angola, na qualidade de presidente do órgão de Concertação Política, Defesa e Segurança da SADC, integra a missão de paz que visa estabelecer a estabilidade política e a segurança naquele país.

Angola detém a presidência rotativa do Órgão de Política, Defesa e Segurança da SADC, estando, por isso, à frente da Missão de Prevenção da organização regional para o Reino do Lesotho (SAPMIL).

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 25/01/2019 11:06:01

    Ministro das Relações exteriores já no país

    Luanda - O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, regressou na madrugada de hoje (dia 25) ao país, depois de ter participado (quinta-feira), em Kinshasa, na investidura de Félix Tshisekedi como novo presidente da República Democrática do Congo (RDC), apurou a Angop no Aeroporto Internacional 4 de Fevereiro.

  • 22/01/2019 21:50:25

    Angola pode aproveitar experiência cubana no sector do turismo

    Luanda - A República de Cuba pode contribuir na diversificação da economia em Angola, em vários domínios, com destaque para o turismo e serviços de saúde, afirmou hoje, terça-feira, o secretário de estado das relações exteriores, Tete António.

  • 18/01/2019 22:50:33

    Íntegra do discurso do PR ao Corpo Diplomático

    Íntegra do discurso de Sua Excelência João Lourenço, Presidente da República de Angola, na cerimónia de cumprimentos de Ano Novo ao Corpo Diplomático. Luanda, 18 de Janeiro de 2019

  • 18/01/2019 21:36:01

    Corpo diplomático elogia posições angolanas para paz mundial

    Luanda - O corpo diplomático acreditado em Angola apoiou nesta sexta-feira, em Luanda, as autoridades angolanas pelas posições em prol da paz mundial e da democracia, bem como na condenação do racismo, xenofobia e outro tipo de discriminação.