Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

05 Fevereiro de 2018 | 08h59 - Actualizado em 05 Fevereiro de 2018 | 08h58

Lesotho: União Africana avalia missão da SADC

Maseru - Uma delegação da União Africana inicia hoje uma visita de trabalho ao Lesotho destinada a avaliar os progressos até agora alcançados pela missão de prevenção da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) para o Reino do Lesotho (SAPMIL), lancada em novembro de 2017.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Durante a sua estada no reino do Lesotho, a delegação de cinco membros, incluindo um do Secretariado da SADC, em representação do secretário executivo da organização regional, vai visitar os locais de destacamento das forças da SAPMIL.

A comitiva da União Africana vai também manter encontros com os chefes das componentes militar, civil, policial e de inteligência, que integram a SAPMIL (composto por 269 efectivos, 217 dos quais militares).

A agenda inclui ainda encontros, à porta fechada, com membros do governo do Lesotho, com chefes de defesa e segurança do país, represtantantes de partidos políticos da oposicao, do Conselho das Igrejas Cristãs, de organizações da sociedade civil e a media local.

A visita da delegação da UA surge na sequência da 748ª sessão do Conselho de Paz e Segurança da organização continental que teve lugar recentemente em Adis Abeba, Etiópia.

Na ocasiao, o director do orgão da SADC para Política e Segurança, o angolano Jorge Cardoso, disse que o orçamento da Missão de Prevenção da SADC para o Reino do Lesotho (SAPMIL), liderada por Angola, registava um défice de um milhão, 613 mil e 928 dólares norte-americanos, e apelou aos países membros da organização continental, da comunidade regional e parceiros no sentido de “mobilizarem urgentemente os fundos para a Missão levar a cabo o seu mandato” de seis meses.

Jorge Cardoso realçou que a SADC necessitava também de apoio técnico da UA, para a Missão obter “resultados tangíveis, paz duradoura e segurança no Lesotho.”

O Reino do Lesotho enfrenta uma situação político-militar delicada que requer a solidariedade institucional e apoio dos estados da organização. É nesta perspectiva que Angola, na qualidade de presidente do órgão de Concertação Política, Defesa e Segurança da SADC, integra a missão de paz que visa estabelecer a estabilidade política e a segurança naquele país.

Angola detém a presidência rotativa do Órgão de Política, Defesa e Segurança da SADC, estando, por isso, à frente da Missão de Prevenção da organização regional para o Reino do Lesotho (SAPMIL).

Assuntos Diplomacia  

Leia também
  • 19/03/2018 19:01:08

    Embaixador de Angola efectua contactos bilaterais na Gâmbia

    Banjul - O embaixador de Angola na Gâmbia, Daniel Rosa, efectua desde o dia 15 do corrente mês, em Banjul, contactos bilaterais com alguns homólogos acreditados neste país, no âmbito do início das funções diplomáticas.

  • 18/03/2018 18:50:57

    Rússia pretende reforçar cooperação com Angola, afirma embaixador

    Luanda - A Rússia pretende aumentar nos próximos tempos a cooperação com Angola em vários domínios, que resultem em vantagens recíprocas e supere o volume actual de negócios entre os dois países que ronda em cerca de 200 milhões de dólares.

  • 16/03/2018 21:16:26

    Acreditado embaixador de Angola na Gâmbia

    Banjul - O embaixador de Angola na República da Gambia, Daniel Rosa, entregou as cartas credenciais ao Presidente gambiano, Adama Barrow, dando início de funções diplomáticas neste país africano.

  • 15/03/2018 16:01:52

    Embaixador angolano apresenta Cartas Figuradas

    Bamako - O embaixador extraordinário e plenipotenciário de Angola na República do Mali, Mário Feliz, apresentou nesta quinta-feira, em Bamako, as copias Figuradas das Cartas Credenciais ao ministro da Diplomacia e Cooperação deste país, Tieman Hubert Coulibaly.