Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

12 Fevereiro de 2018 | 14h38 - Actualizado em 12 Fevereiro de 2018 | 19h51

Embaixadores apostam no desenvolvimento económico

Luanda - Os embaixadores da República de Angola, nomeados na semana finda, pelo Presidente da República, João Lourenço, comprometeram-se, nessa segunda-feira, a multiplicar esforços para pacificar o Continente Africano e acelerar o desenvolvimento económico de Angola.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Embaixadora de Angola na ONU, Maria de Jesus Ferreira

Foto: Joaquina Bento

Embaixador de Angola no Quénia e organizações internacionais em Nairobi

Foto: Joaquina Bento

Em declarações à imprensa à margem da cerimónia de abertura do curso de actualização de conhecimentos dirigido a diplomatas, o embaixador de Angola no Quénia e organizações internacionais em Nairobi, Syanga Abílio, considerou essencial explorar a experiência queniana.

Justificou essa necessidade pelo facto do Quénia ser a maior economia na África oriental e onde o sector agrícola é o maior contribuinte do Produto Interno Bruto.

Considerou que o potencial corresponde ao interesse angolano de diversificação da economia, mobilização de eventuais investidores e de criação de parcerias.


Syanga Abílio espera mobilizar também recursos para o país junto das organizações sedeadas em Nairobi, principalmente as ligadas ao ambiente, para a protecção da biodiversidade e no âmbito das alterações climáticas.


A embaixadora na África do Sul, Filomena Delgado, aponta como desafios o reforço da cooperação sul-sul, aproveitando o potencial sul-africano que o tornou numa placa giratória continental e os programas de crescimento económico da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) e da União Africana.


A chefe da missão diplomática junto dos Escritórios das Nações Unidas e Organismos Internacionais em Genebra, Margarida Izata, promete desempenho notável no Conselho dos Direitos, para a qual Angola foi eleita por um mandado de três anos.


Considerou imperioso o reforço da cooperação com organismos como a OMS, dinamizar a presença na organização mundial do comércio e dar maior atenção a Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e a Organização Internacional do Trabalho (OIT), em função das necessidades do país.


A embaixadora junto da ONU, Maria de Jesus dos Reis Ferreira, prioriza a melhoria do desempenho na resolução dos conflitos em África e na promoção a paz mundial.


Angola continuará a promover a paz para proporcionar o desenvolvimento, sublinhou.  


O embaixador na China, João dos Santos Neto, disse que na lida com o gigante asiático a tendência será o reforço e diversificação da cooperação entre os dois estados.


Considera essencial o respeito pelos acordos rubricados, com destaque para a infraestruturação do país, a diversificação da economia, a formação de quadros, e noutros domínios do intercâmbio político e económico entre os dois Estados.

Leia também
  • 12/02/2018 14:14:06

    MIREX quer perspicácia na busca de parcerias

    Luanda - O ministro das Relações Exteriores, Manuel Augusto, pediu nesta segunda-feira aos novos embaixadores empenho e perspicácia para o estabelecimento de parcerias necessárias ao desenvolvimento económico e social de Angola.

  • 10/02/2018 10:19:16

    Angola participa na 66ª sessão do National Prayer Breakfast nos EUA

    Washington - O embaixador de Angola nos Estados Unidos da América (EUA), Agostinho Tavares, participou no dia 8 de Fevereiro, deste ano, na 66ª sessão do National Prayer Breakfast (pequeno-almoço de oração), realizado em Washington D.C.

  • 09/02/2018 21:37:38

    Brasil quer parceria estratégica com Angola

    Luanda - A necessidade de intensificação e busca de novas formas para o incremento da cooperação, entre as repúblicas de Angola e do Brasil, foi defendida nesta sexta-feira, em Luanda, pelo ministro brasileiro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes.