Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

22 Fevereiro de 2018 | 20h30 - Actualizado em 23 Fevereiro de 2018 | 08h49

MPLA lamenta aproveitamento político sobre proposta de repatriamento de capitais

Luanda - O vice-presidente do grupo parlamentar do MPLA, João Pinto, lamentou hoje (quinta-feira) o aproveitamento político em torno do desafio lançado para o repatriamento de recursos financeiros domiciliados no exterior do país.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Segundo o político, que apresentava a declaração política na Assembleia Nacional, sobre a Proposta de Lei de Repatriamento de Recursos Financeiros Domiciliados no Exterior do País, de iniciativa do Executivo, no quadro deste processo, têm sido usurpadas até competências de órgãos constitucionais legais existentes.

“Ouvimos vozes que tentam fazer aproveitamento político do desafio lançado para o retorno dos recursos financeiros domiciliado no exterior, e até a criação de órgãos ou serviços ad-hoc, usurpando inclusive competências de órgãos constitucionais legais existentes”, lamentou.

Considerou que a iniciativa do Repatriamento de Recursos Financeiros Domiciliados no Exterior do País é genuína, porque foi o então candidato do MPLA a Presidente da República que lançara o desafio como lema para garantir maior transparência e combate à corrupção.

Disse ser do conhecimento da sociedade que o programa de governo do MPLA, cujo lema é “melhorar o que está bem e corrigir o que está mal”, encabeçado pelo Presidente João Lourenço, lançou o desafio de legislar sobre o repatriamento dos recursos financeiros domiciliados no Exterior, para clarificar e incentivar a poupança, o investimento privado e ajudar o Estado no desafio da transparência.

Para si, este diploma visa proteger e incentivar os cidadãos e as empresas com recursos financeiros no exterior que possam ser protegidas no país e que esses recursos tenham autoridade económica, criando emprego para os angolanos.

“Devemos contribuir todos para garantir a confiança entre concidadãos”, vincou, para quem, durante décadas, os angolanos viram-se obrigados a viver uma conjuntura político-económica que facilitou a transferência de recursos para o exterior.

Para si, o Estado angolano criou bases para que a reconciliação nacional fosse uma legalidade, sem que a legalidade internacional interferisse, especialmente no processo de pacificação nacional.

“Os nossos problemas devem ser resolvidos com moderação e prudência, pois nem tudo se compra ou se vende, como a paz e a confiança”, concluiu.

Movimentação de deputados

A Assembleia Nacional anuiu hoje a movimentação de um deputado do grupo parlamentar do MPLA, durante a 2ª Reunião Plenária Extraordinária da I Sessão Legislativa da IV Legislatura, orientada pelo presidente daquele órgão de soberania, Fernando da Piedade Dias dos Santos.

Trata-se de Bento Raimundo, que substituiu Filomena Delgado, actual embaixadora de Angola na África do Sul.

A reunião plenária extraordinária aprovou, também, o Projecto de Lei de Autorização Legislativa ao Presidente da República, enquanto Titular do Poder Executivo, sobre a Dedução do Prémio de Investimento em Sede do Imposto sobre o Rendimento do Petróleo no Contrato de Serviços em Risco para o Bloco 48, bem como sobre o Regime Jurídico da Geodesia e da Cartografia.

O bloco 48 localiza-se em águas ultra profundas, o que representa uma complexidade operacional acrescida e um elevado risco de pesquisa, dadas as condições geológicas caracterizadas por solos oceânicos de acesso difícil e reservatórios bastante rasos.

Assuntos Parlamento  

Leia também
  • 08/11/2018 18:31:39

    Parlamento aprova relatório sobre OGE 2019

    Luanda - As Comissões de Trabalho Especializadas da Assembleia Nacional (AN) aprovaram, nesta quinta-feira, o relatório parecer conjunto da proposta de Lei do Orçamento Geral do Estado (OGE) 2019, avaliada em mais de 11.2 biliões de Kwanzas.

  • 01/11/2018 18:30:10

    UNITA quer aprovação de lei que amnistia crimes económicos

    Luanda - A UNITA (maior partido na oposição) quer ver aprovada, na Assembleia Nacional, uma Lei de Amnistia consensual aos crimes económicos.

  • 01/11/2018 18:05:53

    Deputados iniciam discussão do OGE 2019 a 14 de Novembro

    Luanda - A proposta de Lei do Orçamento Geral do Estado (OGE) para o exercício económico de 2019, avaliada em 11,2 biliões de kwanzas, vai à discussão e votação, na generalidade, na 1ª reunião plenária extraordinária da Assembleia Nacional, agendada para o dia 14 do mês em curso.

  • 22/10/2018 16:13:35

    Operações do Governo devem ser bem fiscalizadas pelo Parlamento

    Luanda - A Assembleia Nacional (AN) precisa fazer um acompanhamento mais próximo das operações financeiras do Governo, além de se basear apenas nas informações fornecidas pelo Ministério das Finanças, defendeu hoje, segunda-feira, o deputado Joaquim David.