Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

23 Fevereiro de 2018 | 17h23 - Actualizado em 24 Fevereiro de 2018 | 11h48

Negócios entre Angola e China ultrapassam USD 23 biliões

Luanda - O volume de negócios entre China e Angola, no ano transacto, cifrou-se acima dos 23 biliões de dólares norte-americanos, informou nesta sexta-feira, em Luanda, o embaixador daquele país asiático acreditado em Angola, Cui Aimin.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

1 / 1

Presidente da AN, Fernando da Piedade Dias dos Santos (à dir.), com o embaixador da China em Angola, Cui Aimin

Foto: Alberto Julião

Presidente da AN, Fernando da Piedade Dias dos Santos (à dir.), com o embaixador da China em Angola, Cui Aimin

Foto: Alberto Julião

Ao falar à imprensa, à saída de um encontro com o presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, o diplomata chinês realçou que o volume de investimentos entre os dois Estados, à escala global, é superior a 40 biliões de dólares.       

Mas se levar em consideração as pequenas unidades ou esferas de negócios, disse o embaixador, este valor deve ultrapassar os 60 biliões de dólares norte-americanos, o que significa dizer que mais de 30 por cento de financiamento da China para o continente africano vai para Angola.

A China é o maior destino de exportação de Angola, sendo Angola o segundo maior destino de exportação da China.

O gigante asiático vai continuar aproveitar as vantagens tradicionais de cooperação com Angola, nomeadamente a construção de infra-estruturas e ampliar a parceria nas áreas da agricultura, indústria, formação humana e saúde pública e, por último, impulsionar o intercâmbio entre os parlamentos dos dois países.    

O embaixador chinês lembrou que, o ano passado, as relações bilaterais conheceram uma nova etapa, um novo contexto. “Agora temos que ampliar as áreas de cooperação, incluindo o intercâmbio e interacção entre os dois parlamentos”.

Garantiu que o seu país vai continuar apoiar o desenvolvimento económico e social de Angola, para quem, a China vai mobilizar esforços ao seu alcance para ajudar Angola alcançar êxitos de desenvolvimento.

Angola é o maior fornecedor de petróleo à China, que, por sua vez injecta, biliões de dólares na modernização do país.

Assuntos Angola   China   Cooperação  

Leia também