Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

05 Dezembro de 2018 | 00h02 - Actualizado em 05 Dezembro de 2018 | 08h29

Sociedade civil dispõe-se a trabalhar com Executivo na estratégia dos direitos humanos

Luanda - Várias organizações da sociedade civil manifestaram nesta terça-feira a sua disponibilidade em trabalhar com o Executivo na elaboração e implementação da estratégia nacional sobre os direitos humanos.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Esta intenção foi apresentada durante uma sessão de consulta pública, decorrida no Auditório do Palácio da Justiça (Luanda), na qual participaram representantes da AJPD, OMUNGA, Projecto “Agir”, Plataforma “Cazenga em Acção”, HANDEKA, Federação Angolana das Pessoas com Deficiência, Fórum Nacional das Autoridades Tradicionais, Associação das Mulheres de Caridade de Angola (AMCA), dentre outras organizações.

No termo de uma jornada de trabalhos, os participantes do encontro defenderam a inclusão de acções ligadas à garantia do direito à terra, liberdades religiosas, protecção dos direitos das minorias, dos refugiados, requerentes de asilo e dos grupos vulneráveis.

Os delegados da consulta pública sublinharam a necessidade de garantia de uma diferenciação da Provedoria de Justiça face aos órgãos políticos, despertando-a para o seu papel na defesa dos direitos humanos.

Recomendaram a criação e operacionalização de comités municipais, regionais ou comunitários de implementação da estratégia sobre direitos humanos ao nível das comunidades, com a participação das instâncias comunitárias e das autoridades tradicionais.

A sessão de abertura, orientada pelo ministro de Estado e Chefe da Casa Civil do Presidente da República, Frederico Cardoso, contou com as presenças do Procurador-Geral da República, Hélder Pitta-Grós e do ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz.

Leia também
  • 04/12/2018 15:48:33

    Governo prevê criar prémio de direitos humanos

    Luanda - O governo angolano prevê instituir, em breve, o Prémio Nacional de Direitos Humanos no sentido de estimular os diferentes actores que trabalham em prol da sua promoção e protecção no país, informou esta terça-feira, em Luanda, o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz.

  • 24/11/2018 21:13:50

    Campanha ''BI da Dipanda'' emitiu cerca de 15 mil bilhetes para menores

    Luanda - Cerca de 15 mil bilhetes de identidade foram emitidos durante a campanha denominada "BI da Dipanda", reservada a menores dos seis aos 17 anos de idade, que decorreu aos sábados do mês de Novembro em todo território nacional.

  • 18/11/2018 07:34:09

    Justiça reconhece excessos no 27 de Maio de 1977

    Luanda - O ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz, disse, neste sábado, ter havido reacção excessiva aos acontecimentos que se seguiram à tentativa de golpe de estado de 27 de Maio de 1977.