Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

11 Dezembro de 2018 | 20h30 - Actualizado em 12 Dezembro de 2018 | 15h51

Grupo de mulheres quer alteração da Lei contra violência doméstica

Luanda - O grupo de mulheres parlamentares solicitou, esta terça-feira, aos órgãos de justiça para tomarem medidas severas contra todo o tipo de violência contra as mulheres, bem como a alteração da Lei 25/08 de 14 de Junho sobre violência doméstica o mais rápido possível.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Deputada Maria do Carmo Nascimento (arquivo)

Foto: portal.angop.ao

Segundo a deputada Maria do Carmo, nos últimos tempos a sociedade angolana testemunhou crimes bárbaros em que mulheres foram assassinadas pelos maridos ou companheiros traídos pelo amor que dedicavam.

Ao falar durante 3ª reunião plenária extraordinária desta terça-feira, que aprovou na generalidade várias propostas de Lei, ressaltou que tais crimes ocorreram no seio das famílias, o núcleo fundamental da sociedade, que urge de todos a protecção social redobrada.

Dados estáticos do ano transacto apontam que só na capital do país, Luanda, registaram-se 5.270 queixas, das quais 4.070 são de vítimas contra as mulheres, desde agressões físicas, homicídios e violações.

Maria do Carmo ressaltou que África é considerada o continente onde as mulheres correm o maior risco de serem mortas por parceiro ou parente, com cerca de 3,1 vítimas a cada 100 mulheres.

Dados publicados pela ONU, em 2017, apontam que cerca de 50 mil mulheres foram assassinadas por um parceiro ou parente.

Segundo estudos, uma mulher é morta por alguém que conheceu a cada 10 minutos. Em 2017, 58 por cento dos homicídios do género foram praticados por parceiros vítimas de relacionamentos abusivos, assassinatos com base na religião ou chamados crimes de honra.

O presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, em nome dos deputados angolanos, reafirmou a sua solidariedade e o empenho de lutar junto com o grupo de mulheres parlamentares e sociedade em geral para se ultrapassar esse tipo de situações.

Assuntos Parlamento  

Leia também
  • 29/01/2019 19:08:17

    Investigadores pedem apoio para divulgação de trabalhos científicos

    Luanda - Responsáveis dos centros de investigação do país solicitaram esta terça-feira apoio aos órgãos competentes do Estado, para a divulgação regular dos seus trabalhos científicos e tornar os seus organismos em unidades orçamentadas.

  • 24/01/2019 18:18:11

    Angola elimina dupla tributação com Portugal e China

    Luanda - O Parlamento angolano aprovou, por unanimidade, os projectos de resolução de acordos para a eliminação da dupla tributação e prevenção da evasão fiscal de impostos sobre rendimentos com Portugal, China e Emirados Árabes Unidos.

  • 24/01/2019 18:11:42

    Executivo incrementa salários dos professores do ensino primário

    Luanda - Mais de 48 mil professores do ensino primário e secundário que auferem 49 mil kwanzas e com perfil para ingressar na carreira técnica superior vão receber AKZ 238.321, no âmbito da aprovação da nova tabela indiciária da função pública.

  • 23/01/2019 19:28:46

    IVA vai potenciar arrecadação de receitas

    Luanda - A introdução do Código do Imposto sobre o Valor Acrescentado (IVA) no país vai potenciar a arrecadação das receitas públicas referentes ao consumo, afirmou esta quarta-feira, em Luanda, o ministro das Finanças, Archer Mangueira.