Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

12 Dezembro de 2018 | 18h56 - Actualizado em 12 Dezembro de 2018 | 18h57

UE investe 14 milhões de euros para projecto de registo de nascimento

Luanda - A União Europeia (EU) confirmou o financiamento de 14 milhões de euros para apoiar o projecto de registo de nascimento "identidade e justiça para crianças" no país, desenvolvido pelo Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos com apoio de parceiros internacionais.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Representante da União Europeia em Angola, Tomás Ulicny

Foto: Joaquina Bento

O projecto, iniciado em 2015 e com o término previsto para 2020, está a ser desenvolvido em sete províncias do país, nomeadamente Luanda, Malange, Bié, Huíla, Moxico, Uíge e Cuanza Sul.

A União Europeia apoia o governo angolano há mais de 30 anos nos vários domínios com uma certa preocupação para os membros mais vulneráveis da sociedade angolana onde se incluem crianças privadas do exercício dos seus direitos como registo de nascimento e acesso à educação e à saúde.

De acordo com o representante da União Europeia em Angola, Tomás Ulicny, a fuga à paternidade foi identificada como um dos pontos sensíveis que deve ser superado tendo em conta o elevado número de crianças angolanas que se encontram sem registo.

Disse ser neste quadro que a União Europeia está apoiar o governo angolano com o projecto de registo de nascimento – justiça perante a criança, implementado pelo Fundo das Nações Unidas para Infância (UNICEF).

O responsável, que falava esta quarta-feira, em Luanda, na campanha de lançamento “Paternidade Responsável EU Apoio”, disse ser necessário aumentar o registo civil para as crianças e criar condições para o exercício pleno da cidadania para todos.

Para si, a fuga à paternidade é consequência de vários problemas económicos e sociais e gera outros problemas graves que afectam o futuro das crianças.

Leia também
  • 28/12/2018 18:08:14

    Justiça promove funcionários ao regime especial

    Luanda - Dois mil e 885 funcionários do Ministério da Justiça e dos Direitos Humanos passaram para o regime especial e outros 747, do regime geral, foram promovidos, informou o titular da pasta, Francisco Queiroz.

  • 14/12/2018 15:18:27

    Angola abre-se mais aos Direitos Humanos

    Luanda - A comissária africana para os direitos humanos e dos povos, Maria Teresa Manuela, declarou nesta sexta-feira que Angola vive uma maior abertura no domínio dos Direitos Humanos, desde a ascensão de João Lourenço a Presidente da República.

  • 14/12/2018 12:52:20

    Angola reafirma compromisso com direitos humanos

    Luanda - A secretária de Estado para os Direitos Humanos e Cidadania, Ana Celeste Cardoso, reafirmou nesta sexta-feira o compromisso do Executivo angolano na implementação efectiva de um sistema eficiente de promoção e protecção dos Direitos Humanos.