Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

19 Dezembro de 2018 | 11h56 - Actualizado em 20 Dezembro de 2018 | 10h35

Autoridades denunciam retorno de estrangeiros ao garimpo

Lucapa - As autoridades tradicionais do povoado de Macuia, em Calonda, município do Lucapa, na Lunda Norte, denunciaram, terça-feira, o retorno de estrangeiros ilegais às áreas de garimpo dos diamantes, que haviam abandonado o país no quadro do repatriamento voluntário.

Por: gito santos

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Instrumentos utilizados para garimpo de diamantes na Lunda Norte (arquivo)

Foto: Henri Celso

O facto foi apresentado à imprensa pelos anciãos, Alberto Ndjimi e Cassacala Ngunda, à margem da visita que o governador, Ernesto Muangala, efectuou àquela região para a constatação do andamento da Operação Transparência.

Os  sobas argumentaram que após terem  saído voluntariamente do território nacional, os estrangeiros identificados como congoleses democráticos continuam a regressar e, no período nocturno, praticam o garimpo,  com  o patrocínio dos chamados “Boss” em  conivência  com os  agentes da ordem  destacados na referida  concessão diamantífera da Endiama.

Pedem  às autoridades competentes a tomada de atitudes mais sérias e responsáveis, contando que estão a ser vítimas de maltratos dos invasores estrangeiros.

 Presente na comitiva, o director do Gabinete Provincial dos Recursos Minerais, Hermenegildo Gomes,  confirma  haver  já zonas  livres de  garimpo, certo  de  que  a Operação Transparência continua a combater  os pequenos  focos  ainda  existentes.  

O governo provincial decidiu actar os conselhos e debateu com as autoridades locais questões ligadas à agricultura  mecanizada e do pessoal qualificado para o efeito, tidas como  prioritárias  em 2019.

Decidiu a intensificação de acções pedagógicas para o combate à malária e ao HIV-SIDA,  o último com  24 casos diagnosticados de Janeiro a Setembro deste ano, doença que a maioria dos munícipes, por  ignorância, entende combater com  métodos tradicionais.

Leia também