Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

12 Março de 2018 | 21h08 - Actualizado em 13 Março de 2018 | 12h08

Fernando Miala nomeado chefe do SINSE

Luanda - O Presidente da República, João Lourenço, nomeou hoje, segunda-feira, Fernando Garcia Miala para o cargo de chefe do Serviço de Inteligência e Segurança do Estado (SINSE).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Fernando Garcia Miala, Chefe do Serviços de Inteligência e Segurança do Estado

Foto: Clemente dos Santos

Segundo a Casa Civil do Presidente da República, o também Comandante-Em-Chefe das Forças Armadas Angolanas decretou, por conveniência de serviço e depois de ouvido o Conselho de Segurança Nacional, a promoção do tenente-general Fernando Garcia Miala ao grau de general.

O novo chefe do SINSE rende o comissário Eduardo Filomeno Bárber Leiro Octávio, exonerado hoje pelo Presidente da República, no cargo para o qual havia sido nomeado através do Decreto Presidencial nº 200/13, de 27 de Novembro.

Doze anos após ter sido exonerado pelo então Presidente da República, José Eduardo dos Santos, do cargo de director-geral do Serviço de Inteligência Externa (SIE), Fernando Garcia Miala regressa à chefia da secreta angolana.

Fernando Garcia Miala foi demitido do cargo de director dos Serviços de Inteligência Externa em Fevereiro de 2006, tendo sido condenado pelo Supremo Tribunal Militar, a pena de quatro anos de prisão, por crime de insubordinação, depois de ter sido afastado das suas funções.

Num julgamento realizado em Agosto daquele ano, além de Miala, outros três elementos da sua anterior direcção foram condenados a dois anos e meio de prisão, designadamente Ferraz António, Miguel André e Maria da Conceição Domingos.

Todos foram acusados de insubordinação por não terem comparecido perante as chefias militares na cerimónia de despromoção.
No caso particular do general Miala, as acusações de que foi alvo quando foi exonerado e mantido em regime de prisão domiciliária, a partir de Fevereiro de 2006, eram mais graves: deslealdade ao Chefe de Estado, desrespeito à sua autoridade e suspeitas de tentativa de golpe de estado.

Assuntos Nomeação  

Leia também