Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

14 Março de 2018 | 15h31 - Actualizado em 14 Março de 2018 | 15h30

Reclusas da penitenciária de Viana beneficiam de educação jurídica

Luanda - Uma sessão de aconselhamento jurídico sobre os direitos da mulher consagrados na Constituição angolana vai ser realizada nesta sexta-feira (16), dirigida às detidas da penitenciária de Viana, em Luanda.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Promovida pela Associação Angolana de Mulheres de Carreira Jurídica, a acção formativa, enquadrada na terceira edição do projecto Chá de Leis, visa explicar às reclusas os seus direitos consagrados na carta magna e os direitos que a legislação avulsa consagra para protecção da camada feminina.

Segundo a presidente da Associação Angolana de Mulheres de Carreira Jurídica, Solange Pereira, que falava à imprensa, além da educação jurídica, a acção vai servir também para se promover o convívio com essas senhoras.

A líder associativa adiantou que, se possível, pretendem também ajudar as reclusas que não têm advogados, seguindo os seus processos.

Em relação às garantias e fiscalização da implementação das leis, Solange Pereira disse que se está aquém daquilo que se podia fazer, uma vez que têm constatado que há pessoas que já têm mais de metade da pena cumprida, mas continuam na cadeia.

“Por falta da circulação de documentos, de advogados ou de qualquer outra coisa, as pessoas acabam por ficar na cadeia quando já podiam estar a gozar de liberdade provisória. Sabemos que depois de cumprido mais de metade da pena, se o recluso tiver bom comportamento, já tem condições para acabar o cumprimento da pena fora da cadeia”, disse.

Entretanto, referiu, isso só será possível se tiver quem siga o processo, pois sem uma assistência judiciária, um advogado, fica muito difícil porque muitas vezes os documentos têm dificuldade de circular.

“Se a sentença não estiver na cadeia é evidente que o director da cadeia não consegue aferir se a pessoa já cumpriu parte da pena”, concluiu.

A Associação Angolana de Mulheres de Carreira Jurídica congrega mais de 100 filiadas, desde advogadas, juízas e procuradoras, e promove a igualdade plena de direitos e oportunidades entre mulheres e homens.


 

Assuntos Justiça  

Leia também
  • 01/02/2019 16:28:52

    Ex-director do INEA em prisão preventiva

    Luanda - O ex-director do Instituto de Estradas de Angola (INEA), Joaquim Sebastião, está em prisão preventiva, depois de ter sido ouvido quinta-feira (31) pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC), em Luanda.

  • 29/01/2019 21:08:20

    Manuel Rabelais falha audição na DNIAP

    Luanda - O deputado angolano Manuel Rebelais faltou, nesta terça-feira, a um interrogatório no Departamento Nacional de Investigação e Acção Penal (DNIAP) da Procuradoria-Geral da República, onde deveria ser ouvido no âmbito de um processo movido contra si, em 2018.

  • 24/01/2019 00:17:56

    Três réus vão a interrogatório no Tribunal Supremo

    Luanda - Os réus Million Isaac Haile, Manin Wanitchanon e André Roy serão os destaques da sessão de interrogatórios desta quinta-feira do processo 001/18, conhecido por "Burla Tailandesa", que decorre seus trâmites na 1ª Câmara de Crimes do Tribunal Supremo.

  • 23/01/2019 18:48:04

    Justiça realça aprovação do novo Código Penal

    Luanda - O ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz, considerou a aprovação do novo Código Penal Angolano um acontecimento histórico, por constituir um dos pilares da reforma do sistema judicial em curso no país.