Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

16 Abril de 2018 | 16h55 - Actualizado em 16 Abril de 2018 | 16h54

Angola quer estratégias complementares para protecção marítima

Luanda - Angola considera fundamental que os Estados africanos desenvolvem estratégias marítimas complementares, a nível nacional, regional e continental, para a protecção do espaço marítimo, prevenção de riscos, identificação de ameaças, a definição de respostas coordenadas e a responsabilização legal.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ministro angolano das Relações Exteriores, Manuel Augusto

Foto: CLEMENTE DOS SANTOS

A informação foi prestada nesta segunda-feira, em Luanda, pelo ministro angolano das Relações Exteriores, Manuel Augusto, na abertura oficial do 1º curso de pós-graduação em Direito do Mar, destinado a formar quadros angolanos sobre questões ligadas ao domínio marítimo, nas vertentes económicas, jurídicas, políticas, de segurança tecnológica, entre outras.

Segundo o responsável, a cooperação efectiva, a partilha de informações e uma distribuição adequada e pragmática de recursos também são defendidos por Angola, nesta vertente.

Considera a segurança marítima como essencial para a preservação da paz, da estabilidade e do desenvolvimento da denominada economia azul para os estados ribeirinhos, em especial na região do Golfo da Guiné.

Referiu que a estratégia marítima integrada africana reconhece o potencial do sector marítimo para promover o desenovolvimento socioeconómico, impulsionar as trocas comerciais e melhorar as condições de vida de mais de 700 milhões de habitantes do continente africano.

Entretanto, reconheceu que a pirataria surgiu como uma ameaça para a segurança marítima, minando os proveitos quer económicos, quer da paz e estabilidade em África e no mundo.

Por isso, o governante lamentou o facto do espaço marítimo da África Central e Ocidental, enquanto um dos catalisadores do comércio e do desenvolvimento das economias do continente, estarem confrontados com uma situação de insegurança e aumento da criminalidade, particularmente na região do Golfo da Guiné.

Sobre o curso de pós graduação em Direito do Mar, promovido pela Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto e financiado pela União Europeia, precisou que enquadra-se na estratégia do Executivo angolano para satisfazer as necessidade de formação e pesquisa especializada de quadros nacionais em questões do mar, dando cumprimento aos padrões e às convenções da Organização Marítima Internacional (OMI).

Durante o evento, foi assinado um memorando de entendimento entre a Delegação da União Europeia em Angola e a Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto, um instrumento legal que detalha as condições do financiamento do programa.

Na ocasião, o embaixador-chefe da delegação da União Europeia em Angola, Tomas Ulicny, sublinhou que o curso constitui o primeiro passo para aprofundar mais a parceria.

Reconheceu o papel desempenhado por Angola na gestão da segurança e estabilidade regional.

Testemunharam a cerimónia, responsáveis dos ministérios da Economia, das Finanças, da  Faculdade de Direito da Universidade Agostinho Neto, docentes universitários, entre outras entidades.

O curso terá 14 módulos, com destaque para “ Angola e o Mar”, “Direito Angolano do Mar”, “Direito Internacional”, entre outros.

Assuntos Cooperação   Diplomacia  

Leia também
  • 17/04/2018 12:04:09

    Embaixador angolano apresenta cartas figuradas na China

    Luanda - O novo embaixador extraordinário e plenipotenciário de Angola na República Popular da China, João Salvador Neto dos Santos, apresentou nesta terça-feira (17), no Ministerio das Relações Exteriores deste país, as Cartas Figuradas que o habilita a agir oficialmente diante das autoridades chinesas.

  • 13/04/2018 20:35:28

    Ministra britânica enaltece potencial para cooperar com Angola

    Luanda - A ministra britânica dos Negócios Estrangeiros para África e Commonwealth, Harriett Baldwin, considera existir potencial para elevar o nível das relações com Angola e contribuir para a efectiva diversificação da economia angolana.

  • 13/04/2018 14:53:49

    Governo Britânico quer cooperar com Angola no sector financeiro

    Luanda - O governo britânico está interessado em cooperar com Angola nos vários domínios, com grande realce para o sector das finanças, afirmou hoje (sexta-feira), em Luanda, a ministra para África no Ministério Britânico dos Negócios Estrangeiros, Harriett Baldwin.