Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

16 Abril de 2018 | 12h55 - Actualizado em 16 Abril de 2018 | 12h55

ONU reconhece avanço angolano no combate ao tráfico de pessoas

Luanda - Angola tem feito um grande avanço na protecção das vítimas do tráfico de pessoas, declarou nesta segunda-feira o director regional para a África Austral da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar


Charles Kwenin discursava em Luanda num “workshop sobre tráfico de pessoas, crianças não acompanhadas e migrantes”, co-organizado numa parceria com o ministério angolano da Justiça e dos Direitos Humanos.

Felicitou as autoridades angolanas por uma série de medidas tomadas, incluindo pela criação da Comissão Interministerial de Combate ao Tráfico de Seres Humanos.


Garantiu apoio técnico da ONU na elaboração de um programa abrangente para dar respostas mais integradas no combate ao tráfico de pessoas em Angola.


Para Charles Kwenin, a resposta ao fenómeno requer uma cooperação forte e coordenação de esforços entre as autoridades policiais, judiciais, sociais e serviços médicos para a protecção e reabilitação das vítimas.

Falou também da necessidade de se reforçar os canais de diálogo entre os governo da região para ajudar a definir medidas que contribuam para uma boa gestão dos fluxos regionais.

O representante regional da OIM considerou também essencial a formação e capacitação dos oficiais de primeira linha para identificar e apoiar migrantes em situação de vulnerabilidade

O workshop, que encerra esta tarde, vai debater a “protecção e assistência a migrantes em situação de vulnerabilidade” e as "respostas do governo na operacionalização do plano nacional para o combate de seres humanos”.

Participam no seminário magistrados, advogados e representantes dos ministérios do Interior e da Justiça, bem como de organizações da sociedade civil.

Assuntos Angola   Criminalidade   Direitos Humanos   ONU  

Leia também