Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

16 Abril de 2018 | 12h16 - Actualizado em 17 Abril de 2018 | 10h57

Recomendada concertação no combate ao crime organizado

Luanda - A secretária de Estado para os Direitos Humanos e Cidadania, Ana Celeste Januário, apelou nesta segunda-feira, em Luanda, uma acção colectiva para a erradicação do tráfico de pessoas e da criminalidade organizada.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ana Celeste Januário discursava na abertura do Workshop sobre Tráfico de Pessoas, Crianças não acompanhadas e Migrantes, co-organizado com o Escritório Regional da África Austral da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Declarou que Angola implementa uma política governativa que visa garantir a dignidade e liberdade dos seres humanos e dirigida a extirpar o tráfico de pessoa e as novas formas de escravidão, como o trabalho forçado, a prostituição e o tráfico de órgãos, que são verdadeiros crimes contra a humanidade.

Entre os esforços do Executivo, a secretária de Estado destacou a aprovação em 2014 da Lei sobre a criminalização das Infracções subjacentes ao Branqueamento de Capitais e que contém norma sobre o tráfico de seres humanos, e a criação da Comissão Interministerial de Combate ao Tráfico de Seres Humanos.

Referiu que a comissão tem a missão de, mediante programas abrangentes e integrados, prevenir e reprimir o tráfico de pessoas.

O representante do sistema das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli, reconheceu os esforços angolanos no combate ao tráfico de pessoas.

Apelou a harmonização da legislação entre os diferentes Estados, para um combate eficaz a este mal que, como disse, envolve muitas pessoas e vários países.

O embaixador do Reino dos Países Baixos, Willen Aalmans, defendeu a promoção do desenvolvimento sustentável das nações africanas para evitar a migração por razões meramente económicas.

Manifestou-se a favor da solidariedade entre os povos, principalmente em fases de conflitos, ao mesmo tempo que critica a morte de cidadãos em tentativas de travessias perigosas, como a do mar Mediterrâneo, a procura de melhor situação económica.

Assuntos Justiça   Workshop  

Leia também
  • 01/02/2019 16:28:52

    Ex-director do INEA em prisão preventiva

    Luanda - O ex-director do Instituto de Estradas de Angola (INEA), Joaquim Sebastião, está em prisão preventiva, depois de ter sido ouvido quinta-feira (31) pelo Serviço de Investigação Criminal (SIC), em Luanda.

  • 29/01/2019 21:08:20

    Manuel Rabelais falha audição na DNIAP

    Luanda - O deputado angolano Manuel Rebelais faltou, nesta terça-feira, a um interrogatório no Departamento Nacional de Investigação e Acção Penal (DNIAP) da Procuradoria-Geral da República, onde deveria ser ouvido no âmbito de um processo movido contra si, em 2018.

  • 24/01/2019 00:17:56

    Três réus vão a interrogatório no Tribunal Supremo

    Luanda - Os réus Million Isaac Haile, Manin Wanitchanon e André Roy serão os destaques da sessão de interrogatórios desta quinta-feira do processo 001/18, conhecido por "Burla Tailandesa", que decorre seus trâmites na 1ª Câmara de Crimes do Tribunal Supremo.

  • 23/01/2019 18:48:04

    Justiça realça aprovação do novo Código Penal

    Luanda - O ministro da Justiça e dos Direitos Humanos, Francisco Queiroz, considerou a aprovação do novo Código Penal Angolano um acontecimento histórico, por constituir um dos pilares da reforma do sistema judicial em curso no país.