Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

16 Abril de 2018 | 12h16 - Actualizado em 17 Abril de 2018 | 10h57

Recomendada concertação no combate ao crime organizado

Luanda - A secretária de Estado para os Direitos Humanos e Cidadania, Ana Celeste Januário, apelou nesta segunda-feira, em Luanda, uma acção colectiva para a erradicação do tráfico de pessoas e da criminalidade organizada.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ana Celeste Januário discursava na abertura do Workshop sobre Tráfico de Pessoas, Crianças não acompanhadas e Migrantes, co-organizado com o Escritório Regional da África Austral da Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Declarou que Angola implementa uma política governativa que visa garantir a dignidade e liberdade dos seres humanos e dirigida a extirpar o tráfico de pessoa e as novas formas de escravidão, como o trabalho forçado, a prostituição e o tráfico de órgãos, que são verdadeiros crimes contra a humanidade.

Entre os esforços do Executivo, a secretária de Estado destacou a aprovação em 2014 da Lei sobre a criminalização das Infracções subjacentes ao Branqueamento de Capitais e que contém norma sobre o tráfico de seres humanos, e a criação da Comissão Interministerial de Combate ao Tráfico de Seres Humanos.

Referiu que a comissão tem a missão de, mediante programas abrangentes e integrados, prevenir e reprimir o tráfico de pessoas.

O representante do sistema das Nações Unidas em Angola, Paolo Balladelli, reconheceu os esforços angolanos no combate ao tráfico de pessoas.

Apelou a harmonização da legislação entre os diferentes Estados, para um combate eficaz a este mal que, como disse, envolve muitas pessoas e vários países.

O embaixador do Reino dos Países Baixos, Willen Aalmans, defendeu a promoção do desenvolvimento sustentável das nações africanas para evitar a migração por razões meramente económicas.

Manifestou-se a favor da solidariedade entre os povos, principalmente em fases de conflitos, ao mesmo tempo que critica a morte de cidadãos em tentativas de travessias perigosas, como a do mar Mediterrâneo, a procura de melhor situação económica.

Assuntos Justiça   Workshop  

Leia também
  • 06/04/2018 16:32:20

    Concurso público para magistrados do Tribunal de Contas inicia este mês

    Luanda - O concurso público para magistrados do Tribunal de Contas, anulado devido a constatação de algumas irregularidades na sua implementação, poderá arrancar ainda este mês, anunciou hoje, sexta-feira, em Luanda, o presidente do Tribunal Supremo, Rui Ferreira.

  • 05/04/2018 12:45:56

    Angola assina protocolos judiciais com a Namíbia

    Windhoek - Angola e a Namíbia assinaram, quarta-feira, em Windhoek, um protocolo de cooperação no domínio judicial, no quadro de uma visita de trabalho que o ministro da Justiça e dos Direitos Humanos angolano, Francisco Queiroz, efectua ao país vizinho.

  • 04/04/2018 00:37:08

    Huíla: Tribunal condena maior parte de réus a pena de prisão maior

    Lubango - O tribunal provincial da Huíla condenou terça-feira, os arguidos do "caso de desvio combustível", a penas de prisão-maior entre os dois a 12 anos, pelos crimes de peculato, corrupção activa e passiva, falsificação de documentos no exercício de função, abuso de confiança e associação criminosa.