Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

16 Maio de 2018 | 12h43 - Actualizado em 16 Maio de 2018 | 12h34

Governo do Lesotho anuncia início de reformas no país

Maseru - O Primeiro-Ministro do Lesotho, Thomas Thabane, anunciou o início formal do processo de reformas recomendadas pela Comunidade para o Desenvolvimento da África Austral (SADC), para ultrapassar a crise política que o país enfrenta.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Thomas Thabane, Primeiro-Ministro do Reino do Lesotho (arquivo)

Foto: Francisco Miudo

Dirigindo-se ao Parlamento, segunda-feira, numa sessão extraordinária em que o facilitador do processo de paz, a SADC, foi deixado de fora da lista dos convidados, Thomas Thabane traçou o historial do país desde a independência, em 1966, aos dias actuais.

Destacou na ocasião que o país tem enfrentado vários desafios nos últimos 52 anos, tendo sublinhado a falta de estabilidade política, segurança e a deficiente administração da justiça.

Juntou a essa lista o que considerou de insuficiências constitucionais e má prestação dos serviços públicos.

Em consequência dessas insuficiências, afirmou, o país ficou gravemente comprometido.

Thomas Thabane recordou também que face a esses desenvolvimentos, o governo solicitou o apoio da SADC e da comunidade internacional que responderam positivamente ao apelo para ajudar a ultrapassar a situação de instabilidade política e insegurança.

O chefe do governo formado por uma coligação de quatro partidos políticos, afirmou que o anúncio do processo de reformas será seguido de um Dia de Oração Nacional a ter lugar a 22 do mês em curso.

Está igualmente previsto a realização de um Fórum Nacional de Lideres, com o lançamento do Comité Nacional para o Dialogo encarregue da formulação da agenda de reformas.


Encravado no interior do território da África do Sul, o Reino do Lesotho vive uma grave crise política, com registo de assassinatos, dois dos quais vitimaram em 2015 e 2017 os chefes das forças armadas.

O Lesotho é membro da SADC e tem uma população estimada em dois milhões de habitantes.

O processo de paz naquele país regista um impasse, entre outras razões, em consequência da ausência de líderes políticos exilados.

Entretanto, num comunicado recente, os Chefes de Estado e de Governo da Dupla Troika da SADC apelaram as partes a imprimirem seriedade ao Dialogo Nacional e ao Processo de Reformas.

Assuntos SADC  

Leia também
  • 20/09/2018 15:14:45

    Angola transfere presidência da SAPMIL para Zâmbia

    Maseru - A República da Zâmbia vai assumir a liderança da Missão de Prevenção da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral para o Reino do Lesotho (SAPMIL), em substituição de Angola.

  • 18/08/2018 19:18:13

    Presidente da Assembleia Nacional já está em Luanda

    Luanda - O Presidente da Assembleia Nacional, Fernando da Piedade Dias dos Santos, regressou hoje, sábado, ao país, depois de ter participado, na cidade de Windhoek (Namíbia), na 38ª Cimeira dos Chefes de Estado e de Governo da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), que decorreu de 17 a 18 do corrente mês.

  • 18/08/2018 19:13:32

    Chefes de Estado da SADC destacam liderança angolana

    Windhoek (Dos enviados especiais) - A liderança de Angola na presidência do órgão de Cooperação, Defesa e Segurança da SADC foi destacada de forma "muito positiva" pelos Chefes de Estado e de Governo, em face ao esforço na manutenção da estabilidade, paz e segurança.

  • 18/08/2018 16:16:36

    SADC cria comissão para transformar Fórum em Parlamento

    Windhoek (Dos Enviados Especiais) - Os Chefes de Estado e de Governo da SADC criaram hoje, em Windhoek, Namíbia, uma comissão técnica mista para dar seguimento do processo de transformação do Fórum Parlamentar do órgão em Parlamento Regional até Janeiro de 2019.