Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

14 Maio de 2018 | 16h44 - Actualizado em 14 Maio de 2018 | 18h26

Parlamento define critérios de selecção para autarquias

Luanda - Os critérios de selecção dos municípios a concorrerem às autarquias, previstas para 2020, serão definidos pela Assembleia Nacional (AN), nos próximos tempos, afirmou hoje, segunda-feira, em Luanda, o ministro da Administração do Território e Reforma do Estado, Adão de Almeida.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Ministro da Administração do Território e Reforma do Estado, Adão de Almeida

Foto: Rosário dos Santos

Antes da definição dos critérios de selecção será remetido à consulta pública uma Lei que vai indiciar tais preceitos, para se reforçar os mecanismos legais do normativo, com opiniões dos cidadãos, referiu o ministro.

Falando à imprensa, após dissertar sobre “o papel do Ministério do Interior (MININT) e dos seus órgãos sobte a reforma do Estado”, dirigido aos dirigentes e quadros do sector, justificou que a consulta pública permitirá ao cidadão apresentar as suas ideias.

“A AN vai aprovar a lei que define os critérios de selecção dos municípios e depois é que teremos a selecção dos municípios e intervenção global da AN”, afirmou Adão de Almeida que negou a ideia de ter-se já seleccionado os municípios.

Relativamente a criação das forças da ordem e segurança interna do país, sobretudo da segurança pública, considerou ser essa uma tarefa de soberania e de Estado.

Adão de Almeida esclareceu que ao nível local, a Lei Magna designa a Polícia Municipal, que não se confunde com a Polícia Nacional, pois a última é direccionada para dimensão administrativa.

Disse ser uma espécie de polícia administrativa ao serviço do município, da câmara, que está para acompanhar e fiscalizar domínios da observância das regras administrativas, por exemplo, as transgressões administrativas.

“A descentralização é a transferência de competências, mas algumas continuam sobre a responsabilidade do Estado e uma delas é a segurança nacional e ordem interna. As FAA continuam a ser força única privativa do Estado. As autarquias não têm forças armadas, bem como a forças de segurança, nomeadamente, a Polícia Nacional”, esclareceu.

Por sua vez, o ministro do Interior, Ângelo da Veigas Tavares, afirmou que o seu pelouro, de acordo com a Constituição, continuará a superintender a questão da segurança pública, permitindo que a relação das estruturas centrais e autárquicas seja a mais estreita possível, para se completarem.

Assuntos Governação  

Leia também
  • 14/10/2018 03:04:34

    Secretário do Governo do Cunene detido por peculato

    Ondjiva - O secretário do Governo Provincial do Cunene e o director do Gabinete de Estudo e Planeamento, respectivamente Evaristo Cassinda e Arnaldo Higino Lourenço, encontram-se detidos sob acusação de crimes de peculato, falsificação e o uso de documentos falsos.

  • 06/10/2018 15:26:04

    Cooperação Angola/Cuba é diferenciada e com vantagens recíprocas - governador

    Sumbe- O governador da província do Cuanza Sul, Eusébio de Brito Teixeira, disse hoje, sábado, no Sumbe, que a cooperação entre Angola e Cuba é diferenciada e com vantagens recíprocas.

  • 02/10/2018 12:17:00

    Governador provincial quer maior empenho dos quadros

    Mbanza Kongo - O governador provincial do Zaire, Pedro Makita Armando Júlia, solicitou nesta terça-feira, em Mbanza Kongo, maior empenho e dedicação dos quadros para a prossecução das acções concebidas no programa de investimento público 2018/2019.

  • 26/09/2018 20:40:19

    Responsáveis de cargos públicos chamados a primarem pela competência

    Ondjiva - A necessidade dos responsáveis de cargos públicos exercerem a sua actividade com maior dinamismo e competência foi defendida, esta quarta-feira, pelo governador provincial do Cunene, Virgílio da Ressurreição Tyova.