Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

26 Maio de 2018 | 14h07 - Actualizado em 26 Maio de 2018 | 14h03

Instabilidade política obstaculiza desenvolvimento de África

Mbanza Kongo - Os conflitos de matriz étnica, fundamentalmente, que grassam ainda alguns países africanos foram apontados neste sábado, em Mbanza Kongo, província do Zaire, como entraves ao desenvolvimento do continente.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Em declarações à Angop, à margem da palestra que abordou a vida e obra de Nelson Mandela, enquadrada nas celebrações do Dia de África, 25 de Maio, alguns munícipes de Mbanza Kongo convergiram que a ausência da paz e da reconciliação entre os cidadãos dos países em conflito empobrece ainda mais os habitantes do continente berço da humanidade.

Para o padre Horácio Nkenge, sem paz não há desenvolvimento possível, insistindo na necessidade de um pacto entre os líderes africanos das zonas em conflito, conducente a um clima que permita a participação dos seus cidadãos na criação de bases para o progresso social.

O prelado católico apontou o exemplo de Nelson Mandela, combatente anti-Apartheid e ex-presidente da África do Sul, que soube unir o seu povo que andou dividido por questões raciais, apesar de ter sido vítima e preso durante 27 anos por este mesmo sistema.

“Os actuais líderes africanos devem inspirar-se no exemplo de Nelson Mandela, que conduziu a luta pacífica para a erradicação do regime segregacionista na África do Sul e soube perdoar os seus opressores”, sublinhou.

Na sua opinião, o povo africano deve ultrapassar, com urgência, as suas desavenças e tentar unir-se para o bem comum que tem a ver com o desenvolvimento económico e social dos respectivos países.

Por sua vez, Necumbuleno Lufialuiso, activista social, defendeu, igualmente, a unidade e coesão do povo africano, inspirando-se também nos ideais das grandes figuras como Kwame Nkrumah, nacionalista ganês,  Patrice Lumumba, do Congo Leopoldoville, actual RDC,  Jomo Kenyatta, do Quénia, entre outros panafricanistas.

Na opinião de Nenkia Wete Mpaku, também participante na palestra, entende que a identidade cultural africana é uma arma para que o seu povo possa afirmar-se no cenário mundial.

 

Leia também
  • 26/05/2018 01:56:44

    Docente exorta reflexão sobre África nos vários domínios

    Luanda - O docente universitário Osvaldo Mboco defendeu a necessidade de se repensar África nas mais variadas nuances, por formas a reduzir-se a dependência de produtos de países de outros continentes.

  • 25/05/2018 23:58:22

    Persistem obstáculos para integração plena do continente africano

    Luanda - O decano do corpo diplomático para a região de África e embaixador da Guiné Conakri em Angola, Djigui Camara, disse hoje, sexta-feira, em Luanda, que muitos obstáculos ainda se levantam para a integração do continente africano, dentre os quais, os conflitos, terrorismo, emigração, corrupção, mudanças climáticas e a igualdade do género.

  • 24/05/2018 20:28:56

    África e os efeitos da Conferência de Berlim

    Luanda - Por mérito próprio, África venceu a barreira do colonialismo e assegurou a sua independência territorial. Há vários séculos, luta para se afirmar no contexto das nações. Apesar do esforço, precisa de materializar o sonho da independência económica e tecnológica.