Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

27 Junho de 2018 | 12h43 - Actualizado em 27 Junho de 2018 | 12h43

Carta Africana de Direitos Humanos foi adoptada há 37 anos

Luanda - A Carta Africana de Direitos do Homem e dos Povos, ratificada pela República de Angola em 02 de Março de 1990, foi adoptada a 28 de Junho de 1981, em Banjul, Gâmbia, pela então Organização da Unidade Africana (OUA), actualmente União Africana (UA).

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

O documento, conhecido como “Carta de Banjul”, por ser adoptado nessa cidade, tem como objectivo principal promover, tutelar e proteger os direitos humanos.
 

A Carta reconhece os princípios da Declaração Universal dos Direitos Humanos de 1948 e adiciona outros que tradicionalmente se tinham negado na África, como o direito de livre determinação ou o dever dos Estados de eliminar todas as formas de exploração económica estrangeira.
 

É constituída de um Preâmbulo e três partes: I - Dos Direitos e Deveres; II – Das Medidas de Salvaguarda; e III – Disposições Diversas.
 

No preâmbulo, os Estados Africanos, com fundamento na liberdade, igualdade, justiça e dignidade, aspirações do povo africano expressas na Carta ratificam a instituição de órgão de promoção e de protecção dos Direitos Humanos e dos Povos, visando:
 

A) - Eliminar todas as formas de colonialismo, neocolonialismo, apartheid, sionismo, as bases militares estrangeiras de agressão e quaisquer formas de discriminação, em especial as que se baseiam na raça, etnia, cor, sexo, língua, religião ou opinião política da África;

 
B) - Intensificar a sua cooperação e seus esforços para oferecer melhores condições de existência dos povos da África;

 
C) - Favorecer a cooperação internacional adoptando os princípios expressos na Carta das Nações Unidas e na Declaração Universal dos Direitos Humanos.
 

Os direitos são estabelecidos no capítulo primeiro e os deveres, no segundo. Diferencia direitos, liberdades e garantias ao denominar estas últimas como medidas de salvaguarda.
 

Dentre os direitos destacam-se: a igualdade perante a lei e igual protecção da lei, inviolabilidade da vida, integridade física e moral, a dignidade inerente à pessoa humana, reconhecimento da personalidade, a proibição de todas as formas de exploração do homem, especialmente a escravatura, o tráfico de pessoas, a tortura física ou moral e as penas ou tratamentos cruéis, desumanos ou degradantes.
 

Na Carta Africana, quatro aspectos merecem destaque:

 
O primeiro está relacionado com a atenção conferida às tradições históricas e aos valores da civilização africana. São estes valores culturais e tradições africanos que caracterizaram e inspiraram a Carta Africana.
 

A estes valores conjuga-se o processo de libertação da África, a luta pela independência e dignidade dos povos africanos, o combate ao colonialismo e neocolonialismo, a erradicação do apartheid, do sionismo e de todas as formas de discriminação.
 
 
No segundo aspecto, a Carta Africana adopta uma perspectiva colectiva, que empresta ênfase nos direitos dos povos e é a partir desta perspectiva que se transita ao indivíduo. No caso das Convenções mencionadas a óptica é liberal individualista, a fundamentar o catálogo de direitos civis e políticos nelas contemplados.
 
 
O terceiro aspecto, que é exactamente a previsão, não apenas de direitos civis e políticos, mas de direitos económicos, sociais e culturais, a Carta reconhece, no marco do direito ao desenvolvimento, que: “os direitos civis e políticos são indissociáveis dos direitos económicos, sociais e culturais, tanto na sua concepção, como na sua universalidade, e que a satisfação dos direitos económicos, sociais e culturais garante o gozo dos direitos civis e políticos”.
 

Por fim, o quarto aspecto refere-se à concepção de deveres, na medida em que o preâmbulo da Carta afirma que: “o gozo dos direitos e liberdades implica o cumprimento dos deveres de cada um”.

Assuntos Efeméride  

Leia também
  • 02/02/2019 16:50:15

    Sobreviventes exigem reposição da placa roubada no marco histórico

    Cazenga - Os sobreviventes do " 4 de Fevereiro de 1961" exigem a reposição da placa de bronze, com os nomes dos nacionalistas participantes no ataque as cadeias coloniais, roubada no ano passado no marco histórico construído, no município do Cazenga (Luanda), em sua homenagem.

  • 22/01/2019 07:23:57

    Minint felicita FAN pelo 43º aniversário

    Luanda - O Ministério do Interior (Minint) felicitou hoje, terça-feira, em Luanda, a Força Aérea Nacional Angolana (FAN), por ocasião do seu 43º aniversário, assinalado dia 21 deste mês.

  • 04/01/2019 15:27:11

    Angola recorda massacre da Baixa de Cassange

    Luanda - Angola recorda hoje o massacre da Baixa de Cassange, um acontecimento que, há 58 anos, dizimou milhares de vidas de angolanos e marcou o início da contestação à ocupação colonial e à exploração dos naturais, sobretudo o desrespeito aos padrões básicos da vida humana.

  • 13/11/2018 21:46:44

    Discurso do Ministro de Estado do Desenvolvimento Económico Social

    ONDJIVA - DISCURSO DO MINISTRO DE ESTADO E DO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL, MANUEL NUNES JÚNIOR, PRONUNCIADO EM ONDJIVA, CUNENE, A 11 DE NOVEMBRO DE 2018, NO ACTO CENTRAL DAS COMEMORAÇÕES DO 43º ANIVERSÁRIO DA INDEPENDÊNCIA DE ANGOLA