Angop - Agência de Notícias Angola PressAngop - Agência de Notícias Angola Press

Ir para página inicial
Luanda

Max:

Min:

Página Inicial » Notícias » Política

09 Julho de 2018 | 13h30 - Actualizado em 09 Julho de 2018 | 13h30

Marinha de Guerra comemora terça-feira 42 anos de existência

Luanda - A Marinha de Guerra Angolana (MGA), um dos ramos das Forças Armadas (FAA) para a garantia da defesa das águas territoriais, comemora terça-feira, 10 de Julho, 42 anos de existência.

Envia por email

Para compartilhar esta notícia por email, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Corrigir

Para reportar erros nos textos das matérias publicadas, preencha os dados abaixo e clique em Enviar

Em 42 anos, grandes transformações se registaram no ramo, apesar de se considerar ainda insuficientes os navios a sua disposição

Foto: Lucas Neto

A Marinha foi fundada em 1976 por altura da visita do primeiro Presidente e fundador da nação angolana, António Agostinho Neto, à base naval de Luanda, facto que coincidiu com o fim do período de instrução dos primeiros militares do ramo, pós independência do país.

A partir do convés da lancha “Escorpião”, herdada do exército colonial português, António Agostinho Neto salientara o papel da marinha de guerra na preservação da integridade territorial.

Na ocasião, o fundador da Nação angolana advogou que, com "a protecção das águas territoriais (…) neutralizaremos aqueles que querem, de qualquer maneira, roubar o que existe no nosso país".

Em 42 anos, grandes transformações se registaram no ramo, apesar de se considerar ainda insuficientes os navios a sua disposição, para fazer face a um patrulhamento eficaz das águas territoriais, incluindo a Zona Económica Exclusiva (ZEE).

Segundo o seu comandante, almirante Francisco José, o investimento feito na formação de quadros foi uma visão muito acertada, para um ramo com uma componente essencialmente técnica e de gradativa complexidade.

Falando na cidade do Lobito (Benguela), na abertura das actividades comemorativas ao 42º aniversário da Marinha de Guerra Angolana, o almirante considerou que defender o mar é um imperativo que se impõe, pois nele repousam recursos de grande importância para as populações.

“Temos consciência que a sua utilização pode infelizmente ser vítima de pirataria”, disse, reconhecendo que o fenómeno globalização pressiona intensivamente a utilização do espaço marítimo, face a dinâmica do comércio mundial, o que faz com que os estados ribeirinhos, como é o caso de Angola, executem constantes missões dissuasoras.

Explicou que a componente técnica do ramo já começa a ganhar corpo, porquanto novas unidades de superfície vão integrando a composição de forças do ramo, o que permite aumentar consideravelmente a presença no mar.

O comandante da MGA pediu, maior atenção na necessidade de serem mantidos os esforços para a correcta gestão e racionalização dos recursos postos a disposição, norteada pelo princípio da probidade pública.

Na ocasião, exortou os efectivos a todos os níveis, a prestarem maior atenção na participação das actividades de preparação operativa, combativa, educação patriótica e jurídica, para o cumprimento das normas reguladoras da disciplina militar.

Em saudação a data, decorrem em várias províncias palestras e actividades culturais e desportivas.

Assuntos Efeméride  

Leia também
  • 02/02/2019 16:50:15

    Sobreviventes exigem reposição da placa roubada no marco histórico

    Cazenga - Os sobreviventes do " 4 de Fevereiro de 1961" exigem a reposição da placa de bronze, com os nomes dos nacionalistas participantes no ataque as cadeias coloniais, roubada no ano passado no marco histórico construído, no município do Cazenga (Luanda), em sua homenagem.

  • 22/01/2019 07:23:57

    Minint felicita FAN pelo 43º aniversário

    Luanda - O Ministério do Interior (Minint) felicitou hoje, terça-feira, em Luanda, a Força Aérea Nacional Angolana (FAN), por ocasião do seu 43º aniversário, assinalado dia 21 deste mês.

  • 04/01/2019 15:27:11

    Angola recorda massacre da Baixa de Cassange

    Luanda - Angola recorda hoje o massacre da Baixa de Cassange, um acontecimento que, há 58 anos, dizimou milhares de vidas de angolanos e marcou o início da contestação à ocupação colonial e à exploração dos naturais, sobretudo o desrespeito aos padrões básicos da vida humana.

  • 13/11/2018 21:46:44

    Discurso do Ministro de Estado do Desenvolvimento Económico Social

    ONDJIVA - DISCURSO DO MINISTRO DE ESTADO E DO DESENVOLVIMENTO ECONÓMICO E SOCIAL, MANUEL NUNES JÚNIOR, PRONUNCIADO EM ONDJIVA, CUNENE, A 11 DE NOVEMBRO DE 2018, NO ACTO CENTRAL DAS COMEMORAÇÕES DO 43º ANIVERSÁRIO DA INDEPENDÊNCIA DE ANGOLA